sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Primeiro-ministro egípcio pede cessar-fogo em Gaza

Primeiro-ministro egípcio pede cessar-fogo em Gaza

Gaza, 16 nov (EFE).- O primeiro-ministro egípcio, Hisham Qandil, fez um apelo nesta sexta-feira em Gaza por um cessar-fogo como primeiro passo rumo a uma paz que leve estabilidade ao Oriente Médio e anunciou novas "visitas egípcias oficiais e não oficiais" à faixa.
"Não podemos nos calar perante essa tragédia e todo o mundo precisa assumir sua responsabilidade. Israel tem que respeitar os tratados internacionais que assinou", acrescentou em um discurso à imprensa junto ao chefe do governo do Hamas na faixa, Ismail Haniyeh.
Qandil afirmou que seu país "está ao lado de seus irmãos na Palestina até que os palestinos acabem com a ocupação e estabeleçam seu Estado independente".
"Estamos tentando conseguir um cessar-fogo duradouro até que se alcance a paz global e justa. Esse é o único caminho para conseguir tranquilidade e estabilidade na região", acrescentou, antes de "lembrar a todo o mundo que a Palestina é o único lugar do mundo sob ocupação e bloqueio".
O primeiro-ministro egípcio ressaltou ainda que sua visita a Gaza, a mais importante dos cinco anos e meio que a região está sob controle do Hamas, é uma "demonstração de solidariedade", mas também de "apoio físico".
Qandil convocou as facções palestinas a "se unirem para pôr fim às disputas e divisões" porque "o poder do povo palestino vem de sua união".
O primeiro-ministro egípcio precisou conter as lágrimas ao falar das imagens que tinha presenciado no hospital Shifa, em Gaza.
Em um momento da entrevista coletiva, Haniyeh levantou o braço a Qandil para mostrar as manchas de sangue de um menino morto em um ataque israelense, cujo cadáver os dois haviam levantado.
Em seguida o chefe do governo do Hamas tomou a palavra para agradecer esta "visita histórica" que definiu como "coerente com a revolução egípcia".
"A visita é uma mensagem à ocupação. Não vamos deixar Gaza só. É uma mensagem de solidariedade ao povo palestino. Estamos com vocês. Venceremos e enfrentaremos a agressão (...) através da resistência de nosso povo e através da ação do Egito e de todos os líderes do mundo", acrescentou.
Haniyeh assinalou que a "valente" decisão do Cairo "chegou ao coração de todos os palestinos" e incentivou "todos os líderes do mundo árabe e muçulmano a seguirem os passos do Egito para frear a agressão".
Ao entrar na à faixa, Qandil foi recebido por Ziad Zaza, vice-primeiro-ministro do Executivo em Gaza, já que Ismael Haniyeh e outros dirigentes do movimento islamita estão escondidos por temor ao exército israelense que na quarta-feira matou ao líder do braço armado do Hamas, Ahmed Jaabari, e que inaugurou a ofensiva militar.
Qandil cruzou a passagem fronteiriça de Rafah acompanhado por 14 responsáveis egípcios, entre eles ministros, deputados e agentes de serviços secretos.
Israel havia se comprometido a respeitar um cessar-fogo solicitado pelo Cairo, mas o lançamento de foguetes de Gaza e posteriormente os bombardeios israelenses continuaram durante a viagem, de apenas três horas. EFE

Nenhum comentário: