sábado, 8 de março de 2014

SANTORO


Cláudio Santoro (1919-1989): Sinfonia n.7 (1959/1960) --- Radio Symphonie-Orchester Berlin diretta da Cláudio Santoro --- I. Andante - Allegro molto preciso II. Adagio (Quasi recitativo) III. Vivo (Scherzo) IV. Allegro molto


Claudio Franco de Sá Santoro (Manaus, 23 de novembro de 1919 — Brasília, 27 de março de 1989) foi um compositor e maestro brasileiro. Biografia Nascido em Manaus, ainda menino começou a estudar violino e piano, e seu empenho fez com que o Governo do Amazonas o mandasse estudar no Rio de Janeiro. Aos 18 anos, já era professor adjunto da cátedra de violino do Conservatório de Música do Rio de Janeiro. Em 1941 passou a estudar com Hans-Joachim Koellreutter, integrando também o grupo Música Viva, do qual se tornou um dos nomes mais ativos, ao lado de Guerra Peixe). Passou a adotar o (dodecafonismo) como técnica de composição, sendo um dos mais radicais críticos do meio musical brasileiro. Em 1948 teve recusado seu visto para ir aos EUA como bolsista, devido à sua militância no PCB. Como segunda opção, foi a Paris para estudar com Nádia Boulanger. Durante sua estadia na Europa, participou, como delegado brasileiro, do II Congresso Mundial dos Compositores Progressistas em Praga, na então Tchekoslováquia. Neste congresso foi apresentada oficialmente a doutrina soviética do Realismo Socialista aplicada à música, da qual Santoro passou a ser praticante, defensor e divulgador no Brasil. Já bastante conhecido, recebeu um prêmio da Fundação Lili Boulanger, em Boston. Entre os avaliadores estavam os compositores Igor Stravinski e Aaron Copland. Claudio Santoro foi professor fundador do Deptº de Música da UnB (Universidade de Brasília). Faleceu em 1989, época em que exercia o posto de Regente Titular da Orquestra do Teatro Nacional de Brasília, atualmente a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro.



Biblioteca do Paranoá, no DF, exibe filme sobre maestro Cláudio Santoro

Longa 'O homem e sua música' conta história da vida e obra do artista.
Produção de John Howard Szerman é atração nesta sexta (10), às 19h30.



                               

Biblioteca do Paranoá, onde será exibido filme sobre o maestro Cláudio Santoro (Foto: Roberto Castro/Divulgação)Biblioteca do Paranoá, onde será exibido filme sobre o
maestro Cláudio Santoro (Foto: Roberto Castro/Divulgação)
O documentário “O homem e sua música”, longa-metragem que conta a história do maestro Cláudio Santoro, será exibido nesta sexta-feira (10) na biblioteca do Paranoá. A sessão pode ser vista gratuitamente, às 19h30.
O filme é uma produção de John Howard Szerman e tem duração de 91 minutos. O longa conta um pouco da vida e da obra do músico que escreveu mais de 600 peças musicais.
Nascido em Manaus em 1919, o maestro participou de seu primeiro recital de violino aos 12 anos, ainda na capital amazonense. Em seu estado de origem ele ganhou uma bolsa para estudar música no Rio de Janeiro.
Santoro chegou em Brasília em 1962, após convite de Darcy Ribeiro para criar o Departamento de Música da UnB. O maestro viveu na capital federal até sua morte, em 1989. Criador da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional, o músico empresta seu nome tanto à orquestra quando ao teatro.

Nenhum comentário: