domingo, 31 de julho de 2016

MANAUS: A DECADÊNCIA DO IMPÉRIO AMAZÔNICO










MANAUS: A DECADÊNCIA DO IMPÉRIO AMAZÔNICO


Rogel Samuel


Em 1876 corria um rio de concentrada riqueza às margens daquele rio Negro, sobre o qual se debruça a cidade de Manaus, a minha cidade natal. A extração amazonense dobrava, a cada década. De 1821 a 1830 eram 329 toneladas de borracha. Na década seguinte dá-se a expansão: 2.314 toneladas. De 1841 a 1850, 4.693 toneladas. O grande desenvolvimento foi de 1851 a 1860: 19.383 toneladas. De 1871 a 1880, 60.225 toneladas. Depois chegou a 110.048 toneladas! A cotação da borracha amazonense subia diariamente na Bolsa de Londres. Aumentava a produção dos pneumáticos. O Amazonas, único produtor de látex do mundo. Manaus rica, copiava Paris. Comerciantes enriqueciam da noite para o dia. Ostentava o Teatro Amazonas os seus espelhos de cristal. Os milionários jogavam cartas com anelados dedos pesados de diamantes, arriscando fortunas no Hotel Cassina, no Alcazar, no Éden, no Cassino Julieta. Telhas de Marselha ao luar na Rua dos Remédios, na Rua da Glória. Arquitetura art-nouveau do palácio de Ernest Scholtz - depois Palácio Rio Negro, sede do Governo. Arandelas, bandeiras, implúvio. Intercolúnio. O cunhal, o lambrequim, a voluta, o capitel, a cornija. Arquitrave. Barrete de clérigo, adufa, muxarabi, água-furtada, muiraquitã, envasadura, atleta, estípite. O enxalso, o frontão de canela. Galilé. Pequena Manaus, grande Paris! Lojas, magazines, charutarias, livrarias, alfaiatarias, ourivesarias. Bissoc. Pâtisserie. Du sucre, des fruits, de la crème. A la ville de Paris, Au bon marché, Quartier du temple, Damas do Gabinete Villeroy, Casa Louvre, Livraria Palais Royal (na rua Municipal, n0 85, com as novidades literárias de Paris), a Livraria Universal, Agência Freitas, a Casa Sorbonne (dentro do Grande Hotel), a Confeitaria Bijou, a Padaria Progresso. Faroletes de pedra de morona e de puraquequara. A bela Villa Fany, luxuosíssima. O Cais dos Barés, a Biblioteca Provincial (que incendiou fraudulentamente, para destruir os Arquivos Públicos, nos fundos). O prédio dos Educandos Artífices que deu nome ao bairro. The Amazon Steamship Navigation Co. A Alfândega é um prédio importado, peça por peça, da Inglaterra, montado aqui. Outro edifício, projeto do próprio Gustavo Eiffel, de ferro: o Mercado Municipal. Um Serviço Telefônico serve a cidade. A eletricidade ilumina as ruas de Manaus no início do Século, talvez das primeiras cidades brasileiras a ter este serviço. Calçadas da Praça São Sebastião, em pedras portuguesas pretas e brancas, em ondas que alegorizavam o “encontro das águas” do Negro e Solimões (posteriormente imitadas na praia de Copacabana). Bondes elétricos da Manaus-traways. Consome-se Veuve Clicquot, truffes, champignon. Huntley & Palmers, Cross & Blackwell. A Cork, a Pilsen, o Bordeaux, o fiambre, o Queijo da Serra da Estrella. Lagostas, a Goiabada Christalizada. Charteuse, Anizette. Champagne Duc de Reims. O Vermouth. Água de Vichy. Leite dos Alpes Suíços. Casacas inglesas, o H. J., o pongê, o filó. Bengalas de castão de ouro. Cartolas, luvas, perfumes franceses, lenços de seda. Pistolas de prata e cabo de marfim. Gramophones de Victor. Discos duplos de Caruso. Casas aviadoras. O Amazonas participa da Exposição Comercial de St. Louis, no Missouri, e posteriormente da Exposição Universal de Bruxelas, onde ganha 32 medalhas de ouro, 39 de prata, 70 de bronze, 6 Diplomas de Honra e os 13 Grandes Prêmios. Manaus-Harbour. Tabuleiro de Xadrez. Óperas, óperas, óperas. Diariamente. Prostitutas importadas. A Cervejaria Miranda Correia.

A Praça da Saudade. O Roadway, o Trapiche. Sífilis. Malária. Vidros de Quinino Labarraque. Óleo de Fígado de Bacalhau. Vinho Silva Araújo. Regulador da Madre. Pílulas Rosadas. Café Beirão. Winchesters cabo encerado de mogno. O Asilo de Mendicidade (construído pelo Comendador). A Ponte da Imperatriz, Igarapé da Cachoeira Grande. A Serraria, no Igarapé do Espírito Santo. Banhos no Igarapé das Sete Cacimbas. Buritizal. Jogos, no Parque Amazonense. Ida a Barcelos. Noite no Jirau. Muro do Leprosário do Aleixo. No recanto - o Chalé. Vista da Bomba d’Água. Viagens. Linhas. Manaus-Belém, Manaus-Santa Isabel, Manaus-Iquitos, Manaus-Marari, Manaus-Santo Antônio do Madeira, Manaus-Belém-Baião. Gonçalves Dias no Hotel Cassina. Coelho Neto no palacete da rua Epaminondas. Euclides da Cunha no chalé da Villa Municipal. Os jornais:  Amazonas Comercial, O Imparcial, O Rio Negro, Jornal do Comércio. 126 navios trafegam no interior do Amazonas. Vaticanos, gaiolas e chatas. Inaugura-se, às custas de 3,3 milhões de dólares, o Teatro Amazonas, em 1896 - a mais cara e inútil obra faraônica da História do Brasil, milionária e importada, com painéis, centenas de lustres de cristal venezianos, colunas de mármore de várias cores, estátuas de bronze assinadas por grandes mestres, espelhos de cristal, jarrões de porcelana da altura de um homem, tapetes persas - tudo o que, aliás, em 1912 desapareceu, esvaziando-se o Teatro para transformá-lo num depósito de borracha de uma firma americana. Ali o erário público foi enterrado em 10 mil contos de réis: o Teatro Amazonas custou o preço de 5 mil casas luxuosas. O dólar a 3 mil réis. Por 900 contos de réis se constrói o Palácio da Justiça. E por 1 mil e seiscentos contos de réis se constrói o Palácio do Governo, nunca concluído. O Teatro custou 10 mil vidas. Sim: Em 1919 para o Amazonas já tinham chegado 150 mil emigrantes. A borracha naqueles anos foi tão importante quanto o café. O Amazonas exportou 200 mil contos de réis em borracha, contra 300 mil contos do café paulista na mesma época. Em 1908 é fundada a mais antiga universidade do Brasil, em Manaus, com cursos de Direito (o único que sobreviveu), Engenharia, Obstetrícia, Odontologia, Farmácia, Agronomia, Ciências e Letras. Nessa época 12 milhões de francos franceses sumiram, roubados no Governo de Constantino Nery. Encampa-se, fraudulenta e inutilmente, a Manaos Improvements, por 10.500 contos de réis - o preço do Teatro Amazonas. A história de Manaus é um acúmulo de loucuras. O seu signo é o Teatro Amazonas. É difícil compreender a imagem que se tem da Amazônia e de Manaus, esta cidade colocada no meio das selvas que tem como símbolo um grande teatro. Geralmente as cidades tem um símbolo cultural. Nova Iorque é a Estátua da Liberdade, Paris é a Torre Eiffel, o Rio de Janeiro é o Pão de Açúcar. Manaus é o Teatro Amazonas. A essência dominante de Manaus é o Teatro Amazonas, como signo do lazer de uma riqueza teatral, de um luxo de opereta, pelo poder de uma classe dominante enlouquecida pelo ouro negro, ouro de uma inutilidade desvairada.


sexta-feira, 29 de julho de 2016

AS DELÍCIAS DA SOLIDÃO

As delícias da solidão











As delícias da solidão


Rogel Samuel

Eu prefiro acompanhado, mas também a solidão tem as suas delícias. Chove, no Rio de Janeiro. Desde ontem chove. Leio a poetisa portuguesa Soledade Santos‏, enviada por Amélia Pais. Na sala há uma TV ligada. Noticiário. Na mesa uma chícara de café. Não tenho um gato de barro, nem castiçal. Nem flores, nem conchas. Tenho livros, cadernos, canetas. Não tenho novelos de lã, nem revista de tricot. Tenho sim uma tarde de chuva. Tenho um computador ligado, quadros na parede. Uma foto de Rimbaud, de 1872, foto de Etiènne Carjat, emoldurada em preto. Está aqui. Carjat (1828-1906), foi um fotógrafo francês, caricaturista e escritor, conhecido por seus retratos fotográficos de escritores e artistas. Comprei esta fotografía às margens do Sena. Estava com minha amiga francesa Annie Geraud. Grande dia. Grande poeta. Grande Amiga.

Soledade Santos‏
TO BE ALONE

«To be alone is one of life's greatest delights»
D. H. Lawrence

uma chávena de chá sobre a mesa
um gato de barro um castiçal
algumas flores conchas livros
um caderno dois novelos
de lã e uma revista de tricot –
espólio de uma tarde à chuva
nessas delícias da solidão
que D H Lawrence cantou

Soledade Santos

(poema publicado em DiVersos 8, ed.Sempre-em-pé)

A PANTERA 8

    

 

A PANTERA 8 (ROGEL SAMUEL)
Passaram-se vários dias sem que encontrássemos a pantera, e por isso julgamos que ela tinha sido morta na batalha, quando vimos uma lagoa ingente, açoitada dos ventos da montanha, como o que flagela o vento e ao rumo minhas ideias se volveram.
Mas ali buscamos beber.
Jara pode pescar estranhos peixes que comemos. “Mas andemos” – disse-me Jara, “prossigamos nossa empresa, vem no horizonte a noite assomando, e mais além a rota da passagem se faz escura”.
Passamos apreensivos aquela noite e quando acordamos, no meio da campina, vejo, feroz, um monstro desconhecido, como quem lá estava à espera e atento à nossa morte, que à vista se fazia pavoroso. Estávamos num caminho quase escondido, na borda de uma ribanceira, de forma que o monstro, que era um búfalo ou um touro, nos fechava e ameaçava avançar e então Jara disse: “Rápido demandemos a entrada da passagem” e eu cismava: “estamos agora em ruína”, que do horrendo monstro eu via a ira já vencida. “Deves saber que, uma vez descendo ao extremo desse bosque, lá em baixo esta rocha não está como estás vendo”. Mas desse vale temi tanto a profundeza, que pensei cairmos no profundo.
Foi então que vi que minha amiga nos conduzia por uma vereda estreita de pedra de onde víamos o vale e um rio, no fundo da distância. E uma cava divisei por onde passar não podia um animal daquele porte, que arqueava no seu plano inteiro, como quem quisesse que do mal se afastasse. E no espaço em que o penhasco dá passagem veio o monstro descer nos vendo mais acima. O arco e os arremessos preparando estava Jara, quando um brado de longe nos soara, que despertou o monstro para trás, olhando. Senti logo a pantera vindo, como quem vingara quem fatal lhe fora.
Aqueles dois monstros logo se encontraram, e a guerra entre eles iam começar, em nome do que os passos meus em tão medonha estrada continuaram. E Jara volveu-se à destra, segurou-me, e disse: “Não olhe para trás, vamos descendo para o caminho mais largo, para sairmos daqui o quanto antes”. E partimos naquela companhia das ondas de horror que no ar subiam, daquele agudo estridor que vinha ao longe daquelas duas feras em luta de morte que se enfrentavam, e mesmo de longe o sangue me faltava.
Não estávamos ainda livres disso quando por um bosque penetramos, de vestígios e de traços não marcados, sem frondes verdes mas escuras e cujos galhos nodosos e espinhentos tinham flores e frutos venenosos.
Ainda soavam nas selvas os uivos dos insanos ferozes inimigos que se estavam matando, quando Jara me alertou: “Não encontraremos daqui em diante lugar onde com calma possamos descansar, pois essas matas por aqui são possuídas de estranhas torvações”.
E asas negras rodopiando nos céus, garras afiadas ameaçando, apareceram e Jara me insta de segui-la, e dali a curta distância nos afasta das aves cujos sons ouvíamos, quando um rio aparece descendo a montanha, de águas geladas retombando e caindo pelas encostas.
Ah, por meus deuses, foi quando ouvimos o grito estrídulo da besta, que de longe se aproximava.
Mas muito tempo caminhamos em silencio para nos afastar do animal sangrento, quando chegamos à beira de um penhasco. De uma corda eu me achava então cingido, que a tirasse Jara me dissera, e eu logo a entreguei como ela prescrevera. Então ela à direita se voltando à borda do abismo infando: “Surgirá, em breve, novo perigo, trazido pela besta dos infernos. Precisamos logo sair”. E assim começamos a descida, lentos e cautelosos, protegidos pela corda, mas ao longe antevimos a fera de horrenda cauda e bafo imundo. E logo atravessamos para o outro lado: “Convém seja o caminho desviado da senda” disse-me ela. E seguimos pelo lado direito por duas horas de lenta e dolorosa caminhada até bem longe daquele abismo ingente.


NEUZA MACHADO: ESPLENDOR E DECADÊNCIA



As “águas” (as lembranças imperecíveis do narrador) provêem “dos desconhecidos lugares da origem Numa”, uma tribo desconhecida geograficamente e que ficou à margem da história do Amazonas, por exigências sócio-substanciais. Desta tribo de índios audazes, só se perpetuaram os referentes conhecidos e aplaudidos ligados à força física, ao lado indômito, à imponente belicosidade do animus dessa tribo diferenciada. As “águas” (as lembranças) desses lugares da origem Numa ficaram desconhecidas por leis de “sobrevivência”, relegadas friamente ao esquecimento. “Se perdem”/se perderam no esquecimento, porque foram interditadas vergonhosamente pelo anterior regime patriarcal. Foram/são esquecidas e passaram/passam, porque, se íntimas, representaram/representam “perigo”, se fossem/se forem verbalizadas.
Essas “águas”, que vêem de “desconhecidas origens Numas”, são especiais, porque provêem do devaneio interno de quem narra. O narrador rogeliano Ribamar de Sousa a designa como uma “narrativa animal” porque ela é uma projeção da matéria primitiva que vigorou/vigora no imaginário-em-aberto do escritor. Refiro-me àquela matéria inovadora que surge entropicamente depois do repouso fervilhante, intimamente relacionada com os juízos de descoberta, de que nos fala Bachelard, em seu livro A Dialética da Duração.

 O galho quebrado diz: “Não passarás”. E além da Curva do Tucumã, a passagem do eixo do rio se separa. Pode-se banhar e pescar, deste lado. Mas aos poucos os Numas se infiltravam, avançavam, atravessavam. Passavam além de si mesmos, não respeitando seus próprios limites. Atravessando o rio e a ordem que o rio exercia na floresta.
http://esplendoredecadencia.blogspot.com.br/

AMÁLIA RODRIGUES

Triste Sina Amália Rodrigues Mar de mágoas sem marés Onde não há sinal de qualquer porto. De lés a lés o céu é cor de cinza E o mundo desconforto No quadrante deste mar, que vai rasgando, No horizonte, sempre venta à minha frente, Há um sonho agonizando Lentamente, tristemente... Mãos e braços, para quê? E para quê, os meus cinco sentidos? Se a gente não se abraça e não se vê, Ambos perdidos. Nau da vida que me leva Naufragando em mar de treva, Com meus sonhos de menina. Triste sina! Pelas rochas se quebrou E se perdeu aonde leva este sonho Depois ficou uma franja de espuma A desfazer-se em bruma No meu jeito de sorrir ficou vingada A tristeza, de por ti, não ser mais nada Meu senhor de todo o sempre, Sendo tudo, não és nada!

quarta-feira, 27 de julho de 2016

MORRE MOACIR ANDRADE

CAPAS DE MOACIR ANDRADE



MOACIR ANDRADE (1927-2016) ESCREVEU GUIMARÃES ROSA: "Moacir Andrade submete, em disciplinados espaços de arte - galos de tapeçaria, cintilação de mosaicos e magia de presépios - os paroxismos de seu diluviano zoorama, feérico epos de fauna: peixes, leviatãs, dragões, harpias, perlados de fria espuma e ocelados de recordações oníricas, à luz de um amarelo a um tempo telúrico e transcendente, apanha assim em tensa ronda a vida do grande rio e grava nos olhos de xerimbabos abissais a desmesura e selva, a cósmica, calada essência da amazônia".
João Guimarães Rosa
KAWALL, Luiz Ernesto Machado. Artes reportagem. Prefácio de Luís Arrobas Martins. Apresentação de Francisco Luís de Almeida Salles. São Paulo: Centro de Artes Novo Mundo, 1972.

"É fato que sua tendência à estilização - tanto nos retratos quanto nas paisagens, figuras e cenas típicas - o tem levado muitas vezes a produzir obras que não dispõem de atmosfera diretamente equatorial e específica, mesclando técnicas e interesses tão diversos com os de um certo expressionismo de função compositiva, um gestualismo derivado do prazer de cobrir amplamente a superfície do papel ou da tela, e um desejo construtivo organizar as múltiplas áreas de cor em estruturas de propensão geometrizante. No entanto, a origem e a vivência amazônicas terminaram ultimamente por assumir importância direta na sua pintura, modificando de modo muito amplo os esquemas anteriores. O que hoje o estimula é a tentativa de recontar, em telas de grandes dimensões, cobertas por inteiro de incontáveis detalhes, as lendas da região, popularmente disseminadas. Se antes a pintura de Moacir Andrade pretendia fundamentar-se em padrões mais clássicos, agora ela se apresenta liberada para o exercício da imaginação, abolindo o convencionalismo da perspectiva e se infantilizando na alegria de amealhar pontos-relevos de cor, elementos fantásticos da fábula e simbologia atavicamente armazenada pelo homem".
Roberto Pontual
PONTUAL, Roberto. Arte/Brasil/hoje: 50 anos depois. São Paulo: Collectio, 1973.

Exposições Individuais
1941 - Manaus AM - Primeira exposição, no Liceu Industrial
1955 - Manaus AM - Individual, na Biblioteca Pública/Clube da Madrugada
1956 - Manaus AM - Individual, na Biblioteca Pública/Clube da Madrugada
1957 - Manaus AM - Individual, no Ideal Clube
1958 - Brasília DF - Individual, no Hotel Nacional de Brasília
1958 - Manaus AM - Individual, na Biblioteca Pública/Clube da Madrugada
1958 - São Paulo SP - Individual, no Masp
1959 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Montmartre-Jorge
1960 - Manaus AM - Individual, Biblioteca Pública/Clube da Madrugada
1960 - São Paulo SP - Individual, no MAM/SP - Concurso Probel de Pinturas
1961 - Manaus AM - Individual, na Escola Técnica Federal
1962 - Porto Alegre RS - Individual, na Galeria Casa das Molduras
1963 - Brasília DF - Individual, na Galeria do Hotel Nacional
1963 - Manaus AM - Individual, no Jornal do Comércio
1964 - Salvador BA - Individual, no Belvedere da Sá
1966 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Secretaria de Turismo do antigo Estado da Guanabara
1967 - Salvador BA - Individual, no MAM/BA
1967 - São Paulo SP - Individual, no MAM/SP
1968 - Jackson (Estados Unidos) - Individual
1968 - Knoxville (Estados Unidos) - Individual
1968 - Memphis (Estados Unidos) - Individual
1968 - Nashville (Estados Unidos) - Individual
1968 - Union City (Estados Unidos) - Individual
1968 - Washigton D. C. (Estados Unidos) - Individual, no Congresso Nacional
1968 - Paris (França) - 35 quadros sobre lendas amazônicas
1969 - Lisboa (Portugal) - Individual, sob o patrocínio do Ministério das Relações Exteriores e da Secretaria de Educação e Cultura do Amazonas
1969 - Londres (Inglaterra) - Individual, na Casa do Brasil
1969 - Washigton D. C. (Estados Unidos) - Individual, na Galeria do BID
1970 - Madri (Espanha) - Individual, patrocinada pelo Ministério das Relações Exteriores
1971 - Bruxelas (Bélgica) - Individual, patrocinada pela Embaixada Brasileira
1971 - Quito (Equador) - Individual, patrocinada pelo Ministério das Relações Exteriores
1972 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Mini Galeria
1974 - Cidade do México (México) - Individual, na Galeria Orozco
1974 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Espade
1974 - Tóquio (Japão) - Individual, patrocinada pela Fundação Japonesa de Cultura
1974 - Osaka (Japão) - Individual, patrocinada pela Fundação Japonesa de Cultura
1974 - Nara (Japão) - Individual, patrocinada pela Fundação Japonesa de Cultura
1974 - Hiroshima (Japão) - Individual, patrocinada pela Fundação Japonesa de Cultura
1975 - Chattanooga (Estados Unidos) - Individual, no Learning Disabilities Center
1975 - Nashville (Estados Unidos) - Individual, na Latin Américan Center of Vanderbilt University
1975 - Martin (Estados Unidos) - Individual, no Fine Arts Center - The University of Tennessee
1975 - Cookville (Estados Unidos) - Individual, na Tennessee Technological University
1975 - Memphis (Estados Unidos) - Individual, no Holiday Inn
1975 - Osceola (Estados Unidos) - Individual, no Carriage Trade Inn
1975 - Washignton D. C. (Estados Unidos) - Individual, no Instituto Cultural Brasileiro
1976 - Manaus AM - Individual, na Galeria do Bradesco
1976 - São Luís MA - Individual, na Galeria de Arte Eney Santana
1977 - Lisboa (Portugal) - Individual, na Galeria do Cassino Estoril
1977 - Manaus AM - Mostra retrospectiva, no Salão Nobre da ETFAM
1977 - Paris (França) - Individual, na Galeria Debret
1977 - São João da Madeira (Portugal)- Individual, na Câmara Municipal
1978 - Manaus AM - Ecologia, no Teatro Amazonas
1978 - Manaus AM - Mostra em defesa da natureza amazônica - Instituto Brasileiro de Antropologia, no Hotel Amazonas
1978 - Paramaribo (Suriname) - Individual, patrocinada pela Embaixada Brasileira
1979 - Caiena (Guiana Francesa) - Individual
1979 - Chattanooga (Estados Unidos) - Individual, no Hunter Museum
1979 - Atlanta (Estados Unidos) - Individual, no High Museum of Art
1980 - Adelaide (Austrália) - Individual
1980 - Basbane (Austrália) - Individual
1980 - Melbourne (Austrália) - Individual
1980 - Sydney (Austrália) - Individual
1980 - Berna (Suíça) - Individual
1980 - Graz (Áustria) - Individual
1980 - Lunz (Áustria) - Individual
1980 - Salz Busj (Áustria) - Individual
1980 - Viena (Áustria) - Individual
1981 - Dublin (Irlanda) - Individual
1981 - Glasgow (Escócia) - Individual
1982 - Oslo (Noruega) - Individual
1983 - Manaus AM - Individual, na Galeria Afrânio de Castro
1983 - Manaus AM - Individual, no Novotel
1983 - Manaus AM - Individual, no Teatro Amazonas
1984 - Manaus AM - Individual, no Teatro Amazonas
1984 - Neshville (Estados Unidos) - Individual, no Museu da Universidade de Venderbilt
1986 - Manaus AM - Individual, na ETFAM
1987 - Londres (Inglaterra) - Individual, na Casa do Brasil
1988 - Brasília DF - Individual, na Galeria da Embaixada da França
1990 - Manaus AM - Individual, na Pinacoteca Pública do Estado
1991 - Brasília DF - Individual comemorativa dos 50 Anos de Vida Artística
1991 - Copenhague (Dinamarca) - Individual - premiado
1991 - Helsinque (Finlândia) - Individual, na Universidade Industrial de Helsinque
1991 - Letícia (Colômbia) - Individual, no Centro de Artes
1991 - Lisboa (Portugal) - 50 Anos de Vida Artística, na Galeria do Hotel Meridien
1991 - Lisboa (Portugal) - Individual, na Câmara Municipal
1991 - Lisboa (Portugal) - Individual, no Centro de Estudos Judiciários
1991 - Oslo (Noruega) - Individual, na Fundação Cultural
1991 - São João do Madeira (Portugal) - Individual
1991 - Wiesbaden (Alemanha) - Individual
1992 - Manaus AM - Exposição de inauguração da Galeria Moacir Andrade-Sesc
1992 - Natal RN - Individual, patrocinada pela Aliança Francesa


NEUZA MACHADO: ESPLENDOR E DECADÊNCIA DO IMPÉRIO AMAZÔNICO


NEUZA MACHADO: ESPLENDOR E DECADÊNCIA DO IMPÉRIO AMAZÔNICO


Por este prisma fenomenológico, quem se percebe chorando, “no abandono e solidão”, é o criador ficcional da pós-modernidade, o escritor da narrativa O Amante das Amazonas. Foram dez anos de pesquisa para a elaboração de seu projeto literário. A caminhada foi longa. Ele teve de revolver o passado familiar, buscar as próprias origens nordestinas, peruanas, judaicas e francesas (como herdeiro de sobrenomes ─ nomes familiares ─ notáveis), leu os grandes clássicos, escritores famosos, lecionou em um respeitável curso universitário e produziu literatura técnica de qualidade. Desenvolveu inúmeros talentos além da escrita literária, como pintura e música, reconheceu a validade da computação e aceitou a novidade da Internet pós-moderna como veículo indispensável para a projeção intelectual. A trajetória (de Manaus para o Mundo) não foi um caminho suave. Muitos obstáculos surgiram. E, em sua narrativa extremamente elevada, o seu narrador-alter ego se defronta com “parentes” que não o reconhecem mais como tal, porque esses já não são mais de sua espécie, “tinham virado bichos”, e não lhe poderiam ensinar mais nada . A “mala de amarrado”, no início da narrativa ─ mostrando-se repleta de suas próprias idéias originais, idéias que se entrelaçam, se ajustam, se repelem (repouso fervilhante), em meio a “duas mudas de roupa”  ─ “escorrendo chuva”, teria de ser aberta de qualquer maneira. Seu primeiro narrador Ribamar de Sousa iniciara a viagem em seu lugar, “a família toda” (seus familiares, seus conterrâneos, seus pares intelectuais amazonenses ou não) o deixara sozinho “no horror de Deus”, retomar as regras ficcionais do passado, regras passadistas, naquele início narrativo, seria algo impossível. A “mala de amarrado” teria de ser aberta e re-arrumada várias vezes, por meio de novas e diferentes diretrizes ficcionais.

domingo, 24 de julho de 2016

A DANÇA DE BEETHOVEN



A DANÇA DE BEETHOVEN


ROGEL SAMUEL

Quando a Sétima Sinfonia apareceu, em 8 de dezembro de 1813, um crítico, creio que Weber, o compositor, escreveu mais ou menos o seguinte: "o mestre está completamente louco, sua sétima sinfonia é inexecutável".
 Parece que confusões e dificuldades houve, entre os músicos, durante os ensaios. A sinfonia, aliás, exige um conjunto de virtuoses para ser bem 'vivace', desde os seus opulentos 62 compassos iniciais, e nela Beethoven faz o peso do mundo dançar. Além de ser 'dançante', inventa a Sétima algo inusitado em matéria de música sinfônica, uma espécie de voragem instrumental, um sorvedouro de ritmos meio enlouquecidos, excitados, sonoros turbilhões. Beethoven está rindo por trás da música, em gargalhadas de mago ensandecido, ruidosas ufanias de liberdade espiritual, nunca antes ouvidas, imaginadas. Histérica, a orquestra chega a um clímax final, delírio apoteótico de grande esplendor. Sim, só grandes orquestras, com grandes maestros, podem executar aquilo, e a observação de Weber estava certa - esta sinfonia não se pode executar facilmente, ou seja: poucos saberão – mas todos sabem ouvir, se ainda sentem a alegria da dança espiritual de suas mais elevadas aspirações.
 "Desejo falar aos que sofrem..." escreveu o compositor, que era "socialista". Via em Napoleão a redenção das massas (depois mudou, que Napoleão sagrou-se a si mesmo imperador). Ele exprime paixão das massas, paixão romântica, as mesmas perplexidades, os encantamentos e emoções que sentimos hoje. Suas sinfonias são música de massa, para grandes salas. Contêm hinos, triunfo e regozijo. Manifesta a onipotência adolescente, desperta o jovem que ainda vive em nós. Nada melhor exprime os sentidos das sinfonias do que aquela Ode de Schiller na qual se inspirou Beethoven para compor a Nova:


Oh! Júbilo, centelha clara e ardente
 Do divino fulgor, luz essencial!
 Ébrios do teu clarão onipotente,
 Penetramos em teu santuário ideal.
 Une-se ao teu prestígio, novamente,
 Tudo o que separou, na vida, o mal.
 De novo os homens trêmulos se irmanam
 Ao resplendor de tua chama celestial!

Desde a Terceira Sinfonia, o libelo romântico em favor das ilusões sociais perdidas e românticas, até a música moderna, ouvimos os ecos de uma cultura que luta contra formas mecânicas de viver.
 Na sua Teoria Política, Adorno via a sociedade tecnocrática moderna com certo pessimismo, acreditando ser muito difícil humanizar o capitalismo. Ele critica a manipulação de que é vitima a produção artística contemporânea.
 Para ele, a arte traduz os antagonismos sociais. Diz que as condições sócio-econômicas do mundo moderno impedem a esperança de uma liberação da arte, como elemento de superestrutura, já que a arte não consegue escapar do domínio exercido pela ideologia dominante. Na atual sociedade capitalista, a música também é um elemento da superestrutura, e por isso se encontra hoje num impasse dentro do capitalismo. Ela foi liberada das funções culturais que lhe eram atribuídas, e transformou-se num produto industrial, numa mercadoria que se consome e que não se liberta como elemento industrial, ou "cult", já que não consegue escapar do domínio exercido pela ideologia dominante. Na atual sociedade capitalista, ela se encontra num impasse, dentro do capitalismo.
 Mas "toda música... teve sua origem em execuções coletivas do culto e da dança, fato que nunca foi superado ... mesmo que a música tenha rompido há tempos com toda execução coletiva. [Mesmo] a música polifônica diz "nós"..." (Adorno, Filosofia da nova música, p. 24).


sábado, 23 de julho de 2016

A PANTERA 7






ROGEL SAMUEL

À medida que avançávamos então pelo caminho sem nos falar, formos encontrando sepulcros desiguais e incertos,  restos dos exércitos destruídos, esqueletos podres, cadáveres em tanques de excrementos, mas de modo mais agro o solo todo coberto de pisadas e rastros, e tampas e terríveis que uns eram túmulos outros eram muros e trincheiras, - o forte cheiro da morte inda ali restava.
E entra a guerreira por vereda estreita, entre o muro e os martírios vai seguindo e eu após ela, pois a seus passos os meus passos se continuam, passando entre as sepulturas descobertas, os corpos estragados, comidos de bichos, os corpos em decomposição, a vida se acabando.
Mas ouço novamente aquele som, de súbito saído do horizonte, seguido a um clarão que tanto me horroriza, que à Jara me abracei, apavorado, tremido. E na sombra eu tinha já fitado o vulto da pantera perto de uma tumba aberta. A guerra crua faz na gente o espanto e com ansiosos olhos olhei os lados, a ver se algum guerreiro sobrara ainda vivo para nos atacar. Súbito ergueu-se um pássaro em gritaria, quando da pantera se viu ameaçado.
Eu começava a lembrar alguma coisa do que fui, do que fiz, pois não sem motivo estava eu por ali, pois daquela guerra não estava de juízo certo.
E então, se bem percebo, ao fundo vejo um precipício. Mil jazem por aqui, pensei, e as almas mortas nesses ares esvoaçam, os corpos desciam o vale horrendo que odientos vapores exalavam.
Foi quando fomos atacados por uma tribo desconhecida, com muitas flechas e gritos lancinantes, que mais tinham o intento de nos afastar que de matar, pois nós não víamos ninguém no dentro da floresta.
Mas eu comecei a disparar os tiros e os gritos silenciaram e as flechas acabaram.


quarta-feira, 20 de julho de 2016

A AMIZADE


A amizade permite avançar mais depressa na via da Libertação. Amigos que se conhecem bem olham uns para os outros e avaliam-se no mesmo espelho, sem nunca deixar de se amar. Um é o espelho fiel do outro. DUGPA RINPOCHÊ

domingo, 17 de julho de 2016

A PANTERA 6.

A PANTERA 6.

ROGEL SAMUEL

Acrescentar eu devo que prosseguindo mudos naquela direção o dia inteiro do pico ainda estávamos distante ao anoitecer; e não mais senti a presença negra da pantera nos perseguindo, quando os olhos ao céu dirigindo vemos clarões brilhar como relâmpagos mudos e lumes dois ou três que a terra estremeciam e aí vejo que de Jara os olhos se assustaram, e ligeira logo se fez. E assim deparamos com uma pequena planície onde havia montículos de terra que pensei serem túmulos rasos. Mas “não”, disse-me Jara (pois se fossem os animais já teriam descobertos), e encontro sacolas de dinheiro e mochilas com armas e vestimentas, sapatos e botas e comida tudo envolvido em plásticos. Eu me aproprio das utilidades, visto-me de casaco e botas, encho um saco de maços de dinheiro, armas e um cantil. Ao que um terrível urro nós ouvimos da pantera que chegava que toquei nas armas ao que Jara me conteve, e já ela vestida de soldado e armada de faca e de fuzil me parecia protegida. E depois de revistar todos os montes e de umas mochilas que nos apropriamos, assim Jara partiu e eu a segui somente ao primeiros passos logo sentimos o peso da carga recebida, e sendo assim Jara e eu entramos na floresta que rara se fazia, e caminhamos por alguns dias subindo a encosta da montanha lentamente e passando ao mais alto, mas Jara revelava que aqueles sítios todos antes conhecera.
Do medo a cor que o gesto me alterara ao ver que aparecia, na ponta da planície, marchando célere em nossa direção, aquela pantera mas Jara, como escutando, espreita e me diz: ”quer ela nos atalhar e nos levar nesta direção” que aponta naquela direção antiga e de subida, - “é mister vencer nesta porfia”, - e da pantera a marcha acelerada nos adiantou e de lá saímos, buscando o alto da montanha, que é raro o parecer, e um ensejo de nos fazer guiar pelo caminho que entre abismos nos comunica. Ali, porém, já fui que a inimiga pantera constrangia-nos a fazer essa jornada. Que pensei, e pensando disse para Jara, que agora poderíamos fazer, para das sombras nos tirar dos seus precitos, com as armas de que agora dispúnhamos poderíamos a fera abater a tiros: “Esta é a pior solução” - dizendo ela, voltou-se para mim – e usando uma expressão nova: “esforça-te, querido, eu também sei o caminho que da grande batalha vai nos afastar” – “este paul que a fera cheira é o circundo da guerra e o tormento que de entrar já não podemos sem ira” – e não me lembro o que mais disse o pensamento e o olhar pondo no cimo chamejante que os olhos me prendia, vi que estava atenta, pois de lá longe o aspecto de horripilante explosões sucessivas que o chão estremecia, que com as unhas a pantera a terra arranhava e com suas patas o solo rebatia e com tal brado que à guerreira me acerquei de pavor cheio. Ela volta a face de fúlgida luz o rosto farto conserva a calma a encarar-me, transformando-se numa sorte de deusa e as mãos juntando às minhas mãos e os olhos no fundo dos meus olhos a amparar-me dessa arte, e logo um tufão distante fremiu impetuoso que de ardores explosivos se cercando, sem pausa fere a terra, que se abria como em leques de sonoridades entre nuvens de pó alevantando e após o mundo se cobriu de um estranho silêncio, mudo e quieto, mundo derradeiro e deserto que vem da insânia rara.


sexta-feira, 15 de julho de 2016

TAO

TAO


TAO TE CHING - Lao Tse - O Livro do Caminho - Tradução do Mestre Wu Jyn Cherng

Quem respira apressado não dura
Quem alarga os passos não caminha
Quem vê por si não se ilumina
Quem aprova por si não resplandece
Quem se auto-enriquece não cria a obra
Quem se exalta não cresce
Esses, para o Caminho, são como os restos de alimento de uma oferenda
Coisas desprezadas por todos
Por isso, quem possui o Caminho não atua desse modo

quinta-feira, 14 de julho de 2016

84 MORTOS

Rogel Samuel compartilhou um link.
5 minLeMonde.fr
Dix-huit personnes se trouvent encore en état d’urgence absolue, a précisé le ministre de l’intérieur, Bernard Cazeneuve. Le chauffeur du camion a été abattu.
LEMONDE.FR

A PANTERA 5

A PANTERA 5

ROGEL SAMUEL

“E então” – disse-me ela – “vou em busca de alguma caça”. Mas da pantera o suspiro rouco ouvindo: “Não” – me diz – “se desvaneça o susto. Ela nada fará contra você, em si mesma consome o seu furor injusto” e, com a flecha uma espécie de pássaro abatendo que no alto voava que baqueou por terra a ave abatida, - mas de repente, com uma onda do mar se embatendo, e quebrando-se espumante, assim uma turba de aves negras se albaroa, aves em cópia, quase do céu escurecendo parte, nunca vistas antes, fardos de um lado e outro em grita ingente, rolando com suas asas ofegantes, como de um grande mal temidas e em volteios sem rumo assim no teto em círculo volteando que iam ao ponto oposto de todo o espaço nos semicírculos: - “Que são?” – a Jara perguntei, “que razão há para aqui estarem?” E ela respondeu: -“Não sei, de algo muito terrível estão fugindo!”.
No dia seguinte me acordou ela e disse: “Desçamos agora e vamos esquivos, nossa demora aqui é perigosa”. E nossos passos da árvore onde nos abrigamos até uma fonte onde bebemos. Ali de uma fenda as águas brotam como se a alguma torrente e a sede saciamos e ao longo do seu curso nós baixamos, por caminho tão diversos nos movendo, até uma lagoa deparamos junto à encosta do triste ribeiro, que notamos dali seguira para um pântano, onde a tristeza morava, e portanto atravessamos e voltamos a subir o que seria uma vende encosta em direção ao vértice de um lugar mais fresco e longínquo da mais alta montanha.

LOS ANGELES

LOS ANGELES

Rogel Samuel

Minha amiga tem insistido a visitá-la outra vez em LA. Ela para mim ainda assina como éramos quando crianças. Seu convite é tentador, pois gosto muito dela. E amo LA.
Quando lá estive por algumas semanas fui a Malibu, Pasadena, Hollywood, Long Beach, etc. Fiz compras, mergulhei naquela sociedade de consumo barato: livros usados, roupas recicladas, CDs e cartazes. Andar por aquelas calçadas é o melhor programa de LA. Muito verde, muita gente descontraída, bonita. Sim, mas é possível viver em Los Angeles desde que você tenha um carro. Poucos lugares dependem tanto de automóvel. Minha amiga morava muito bem, naquela época. Beverly Hills ficava na esquina. Na sua sala, uma enorme TV exibia as novelas da Globo, da Band. A maior novela era o 11 de setembro, pois estávamos ainda em 2001. Ela vivia numa casa confortável, ampla sala, dois quartos, cozinha e até um pequeno quintal. E um músico brasileiro um pouco nervoso, ciumento, seu namorado na época, no carro de quem rodamos as infindáveis estradas.
Em LA muita coisa para ver, desfrutar, sentir. Apesar de ser uma cidade grande, não é opressiva. Impressionei-me com os museus, jardins, praias. As pessoas em LA tendem ao cinematográfico. É possível ver garota de programa dirigindo Mercedes conversível.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

A PORTA DA CIDADE

A porta da cidade












Na foto: Talvez a tia de Albert Samuel, que o criou até a adolescência, em Strasburg. Foto da época da borracha em sua segunda fase.


A porta da cidade

NEUZA MACHADO



Neste terceiro momento do romance O Amante das Amazonas - narrativa pós-moderna/pós-modernista de Segunda Geração -, a casa onírica necessitou do elemento terra acasalado à água e dos devaneios do repouso aliados aos devaneios da vontade (ação) para se manifestar e apresentar aos leitores todos os seus recantos até então insondáveis. Quem seria melhor do que D. Mariazinha de Abreu para permitir a abertura da porta da Cidade ao ex-retirante nordestino Ribamar de Sousa (ao primeiro narrador telúrico), oferecendo-lhe a possibilidade de galgar futuramente os degraus da consideração social (universal)? A porta principal da Cidade estava ali, bem pertinho, “ao lado”. A casa dela, além de ficar situada na Rua Barroso, certamente um endereço importante, “os fundos davam para o Igarapé do Aterro”, um sinal de que, por enquanto, o elemento que irá comandar o relato é a terra (por intermédio do Igarapé do Aterro), mas não uma terra firme, sólida, inquebrantável, mas sim uma terra (elemento firme) acasalada à água (elemento fluido, desordenado, entrópico, pós-moderno). A terra, como produtora de devaneios sócio-políticos, certamente unida à água (matéria eleita), direcionará, futuramente, a visão interativa do criativo sonhador mítico-ficcional das águas amazonenses. Ao longo de sua ficção, ele necessitou de outros elementos além da terra e da água, tais como o fogo e o ar, para demonstrar, a partir das questões propostas e/ou intuídas, a sua incomum apreciação pelo elemento aquático. Naturalmente, ainda verei, em seus dinâmicos aspectos interativos, profundos, fundamentais, as intromissões desses dois elementos alternadores - o fogo e o ar - até ao final do relato.
O fogo da labareda da serpente
Sobre O AMANTE DAS AMAZONAS, de Rogel Samuel

terça-feira, 12 de julho de 2016

A FUGA NO MEIO DA NOITE

A FUGA NO MEIO DA NOITE

A fuga no meio da noite

Rogel Samuel

No chão cruzavam-se várias faixas coloridas. Luzes. Grossas cortinas de veludo. Um grito muito longe. Bastava um passo e estaria concluída aquela parte. Enlouqueço? Havia um longo caminho estendido, uma larga planície vazia.
- Que ventos são esses, que cortinas?
Assoviavam aterrorizantes tempestades, canções das almas dos infernos. Liberdade? Um súbito estalo o estremeceu, desde o fundo da terra, das plantas dos pés. Passos de veludo. Pelo luzidio dos lustres bailavam ondulosas bailarinas, vozes recitavam, de uma igreja, murmúrios monótonos e flautas. Sensação de quem vê a morte aproximar-se. A todas as tintas. A morte irreconhecível. Semblante de quem procura, mas não vê, reflexos nas paredes. Palpitam risadas. O universo em decantação, o tombamento. Um espetáculo de fundo de mar, vagas. Cantavam? Um monstro untuoso, disforme, que se desfazia em pasta e massa repugnante. Fluía pelos poros da testa. Música estival. Cartazes, gigantescas letras.
(Lembrou-se que continuava no palco, representava, mas não podia conceber o que fazia. Procurou divisar o auditório. Nada. Tudo morto, vazio, surdo).

A CATEDRAL

A Catedral













A Catedral



Rogel Samuel




Alphonsus de Guimaraens sonha com uma catedral, misteriosa, entre brumas, entre as luzes da aurora, branca de sol, cantam os sinos, cor de sol, ao som dos cânticos lúgubres, a catedral segue o seu rumo, o segue o seu sol, atravessa o dia, lírios, lilases e a tarde esquiva, clamam os sinos, a catedral é o luar, os sons da lua e o céu se apagam, cortam os relâmpagos pela noite escura, a catedral mergulha no caos de sua noite, de sua morte, e os sinos choram, a catedral mergulha em sua luz, em sua sonoridade... de manhã na sua paz, de tarde na sua amargura, de noite no seu medo, na sua morte...



Entre brumas ao longe surge a aurora,
O hialino orvalho aos poucos se evapora,
Agoniza o arrebol.
A catedral ebúrnea do meu sonho
Aparece na paz do céu risonho
Toda branca de sol.

E o sino canta em lúgubres responsos:
"Pobre Alphonsus! Pobre Alphonsus!"

O astro glorioso segue a eterna estrada.
Uma aurea seta lhe cintila em cada
Refulgente raio de luz.
A catedral eburnea do meu sonho,
Onde os meus olhos tao cansados ponho,
Recebe a bencao de Jesus.

E o sino clama em lugebres responsos:
"Pobre Alphonsus! Pobre Alphonsus!"

Por entre lirios e lilases desce
A tarde esquiva: amargurada prece
Poe-se a luz a rezar.
A catedral eburnea do meu sonho
Aparece na paz do ceu tristonho
Toda branca de luar.

E o sino chora em lúgubres responsos:
"Pobre Alphonsus! Pobre Alphonsus!"

O céu e todo trevas: o vento uiva.
Do relâmpago a cabeleira ruiva
Vem acoitar o rosto meu.
A catedral ebúrnea do meu sonho
Afunda-se no caos do céu medonho
Como um astro que já morreu.

E o sino chora em lúgubres responsos:
"Pobre Alphonsus! Pobre Alphonsus!"

domingo, 10 de julho de 2016

baixada blues

baixada blues

vou seguindo nessa estrada
a pé, e me vejo perdido
e enfim achado
na busca do meu passado
revoada de pássaros
cães não ladram
campo de flores e de lixo
vou seguindo nessa estrada

de lata

sexta-feira, 8 de julho de 2016

EM TODAS AS LIVRARIAS DO PAÍS

A 6ª EDIÇÃO 2ª REIMPRESSÃO

Meu cavalo chegou

Meu cavalo chegou

 

 

Meu cavalo chegou

Rogel Samuel



Leio o belo soneto de Farias de Carvalho (1930-1997), o poeta amazonense, o poeta maior, tão bom quanto os maiores. Leio o soneto. Farias meu professor de literatura no colégio. Farias genial poeta:




Meu cavalo chegou


Farias de Carvalho (1930-1997)


Meu cavalo chegou (memória e nuvem),
a aurora derramada sobre a crina.
Meu cavalo chegou. Fome de tudo
estou também: engoliremos mundos.

Meu cavalo chegou. E, pressentidos,
os caminhos me espiam de suas rédeas.
Meu cavalo chegou. Há quanto tempo
gasto-me em pés e olhos nesta espera...

Meu cavalo chegou. Eu despertava
quando o vento falou-me de seus cascos
e a poeira garantiu-me sua presença.

Meu cavalo chegou. Cumprir-me-ei.
Tanta gente cansada nessas cruzes...
Meu cavalo chegou. Mortos, montai!...


Leio o belo soneto e mergulho na sua simbologia, na sua mitologia. Cavalo, signo quente, masculino, sexual. Memória e nuvem, desejos na aurora, sobre a crina. Desejo, fome de tudo, engoliremos mundos. Pressentimentos dos caminhos, de suas rédeas de virtude e de vício, de seus cascos, da poeira, da presença. Meu cavalo chegou para acordar os mortos, tema sempre constante em Farias d'Ouro de Carvalho, tanta gente morta, tanta gente cansada nessas cruzes. O ponto é aqui. A vida contra a morte. O cavalo contra a poeira esquecida do caminho...

domingo, 3 de julho de 2016

TEATRO AMAZONAS - A PRIMEIRA EDIÇÃO ESTÁ NO FIM




Lima Silva, Alarico José Furtado, Emílio Moreira, Joaquim Sarmento e João Coelho antes do jantar no restaurante do Hotel Cassina. Era uma noite fresca. Bebiam um pouco de champanhe antes do peixe. Não tinham pressa. 
Furtado disse:
- Estive ontem a bordo do “Maranhense”. Tenho notícias, disse.
O “Maranhense”, apesar do nome, era um vapor inglês.
- Eu soube – disse o ex-governador Furtado, com a taça na mão. Parece que já está encomendado todo o ferro necessário para a construção do teatro. 
- Deve chegar em setembro, acrescentou Furtado, envolto numa baforada de charuto. O Carlos Rossi, chefe a forma Rossi & Irmãos, está viajando com o pessoal dele em Glasgow, contratando. 
- Devem chegar operários especializados, disse Emílio Moreira. 
Emílio Moreira era baiano, irmão do Barão do Juruá e de Guilherme Moreira. Os irmãos Emílio e Guilherme Moreira fundaram em Manaus a firma Moreira & Irmão. Eram dois irmãos muito unidos e muito ricos. Enquanto um viajava pelo interior, principalmente pelo Juruá, o outro ficava na capital. Negociavam borracha, castanha, pirarucu seco e outros produtos, que exportavam. Fizeram fortuna. Entraram na política. 
Emílio Moreira casou-se com a irmã de Joaquim Sarmento, futuro senador, de uma família importante, o que aumentou o prestígio dos dois. Emílio Moreira foi decisivo na eleição de Eduardo Ribeiro ao Governo. Mas as obras da construção do Teatro estavam paradas. A Assembléia Legislativa autorizou a modificação do contrato, depois de duro embate político com o Presidente da Província. O contrato foi rescindido, o material da construção do teatro ficou sob a guarda da Secretaria de Obras Públicas. Os contratantes foram indenizados. Tudo parou. 
- Parece que o teatro nasceu sob um signo funesto, disse Lima Silva. 
- Desde o início da sua existência, quer como idéia, quer como realidade. Quando não era a oposição, eram os contratantes, forçando o tesouro público a despesas desnecessárias, - concluiu.
* * *
Em 24 de fevereiro de 1887, passando Emilio Moreira pela Praça São Sebastião, vê que se está construindo um barracão de madeira para ali serem guardados os materiais da construção do teatro. 
Eram ordens do governo imperial. 
A praça São Sebastião tinha estado em obras. Caríssimas. Tentaram aterravam o Igarapé do Espírito Santo, que passava onde hoje é a rua 24 de maio. Os terrenos ao redor do teatro tinham de ser nivelados. A terraplanagem da área tinha custado uma fortuna, quase 7 contos. Foram usados carros de condução e carroças de água. Essas obras se arrastaram no período de 1886 a 1892. Depois pararam.
As obras da construção do teatro pararam completamente. 
E o magnífico Teatro Amazonas se transformou num esqueleto cheio de mato, abandonado. As paredes já construídas estavam cobertas de limo. O lugar se transformou num lugar perigoso, escuro, cheio de lixo, fedia a urina e a fezes humanas.

A grandeza despojada

A grandeza despojada



A GRANDEZA DESPOJADA

NEUZA MACHADO


Entretanto, apesar do ou graças ao conflito, a partir da página oitenta e nove, um novíssimo narrador rogeliano se obrigou a surgir para revelar aos leitores que, desde o início da narrativa, o interregno capitalista esteve ali presente (o lado capitalista do Manixi), ansioso por destruir a grandeza mítica do lugar. Subitamente, aparecem ratos na narrativa. Os dois poderes não poderão permanecer juntos naquele espaço efervescente de transição. Um deverá destruir o outro. A mudança narrativa instiga o leitor interessado. Ele terá de descobrir (se houver ou não um fecho narrativo tradicional) quem sairá vencedor. Quem está despojando a grandeza da Floresta Amazônica? Como desvelar o Manixi (o Palácio e as terras que o rodeiam) ao longo da narrativa rogeliana? Por que “o sumiço do filho de Pierre Bataillon, um homem que vivia debaixo do ouro no Alto Juruá, permanece encoberto de tal mistério, sempre um acontecimento mitificado na imaginação do povo amazonense e acreano, e todas as hipóteses, levantadas então, não se puderam justificar, nem explicar”? Por que a Cidade de Manaus revela-se, na segunda etapa da narrativa como segundo espaço de mediação ficcional? E os ratos? Por que os ratos? Há ratos na Floresta. Há ratos na Cidade. Há “ratos” entre “as tábuas do chão”, “ratos” como “um traço cinematográfico, contínuo”, um “corroer” que incomoda, ativando a sensibilidade e a inteligência do leitor, demonstrando que, holisticamente, há “ratos” em todas as partes do mundo a abalar os primordiais e puros alicerces da civilização. Não foi o narrador Ribamar (o narrador tradicional das histórias contadas e relidas) que viu os tais ratos, foi o outro narrador (o das histórias lidas, relidas e inúmeras vezes repensadas), porque somente um narrador capacitado para tal função poderia formalizar criativamente o início da decadência da época da borracha (aquele que vê “o risco preto no chão”), ou seja, o início da decadência do plano das exigências conceituais a interagir com um discurso saído da própria “consciência fervilhante” (G. Bachelard).


MACHADO, Neuza. O Fogo da Labareda da Serpente: Sobre O Amante das Amazonas de Rogel Samuel

sábado, 2 de julho de 2016

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Tivemos ídolos






















Tivemos ídolos

Rogel Samuel




Elizabeth Taylor se submeterá a uma cirurgia cardíaca. Ela tem 77 anos e anda em cadeira de rodas. Ela está envelhecida. Tirou um tumor do cérebro. Mas continua linda. Ela é uma de minhas paixões. Não faz muito tempo ela estava viciada em drogas e álcool. Para nós, para a nossa geração, ela ainda é o último dos monstros sagrados do cinema. Cheia de jóias até na velhice, ela agora se involve em causas sociais e é fiel a seus amigos.

Somos de uma geração afortunada. Tivemos ídolos.