segunda-feira, 30 de abril de 2012

SUCURI


O fluir do rio dos pensamentos

O fluir do rio dos pensamentos

Rogel Samuel

O mestre Dogen (1200-1253) escreveu um misterioso poema:



"Acima de tudo, não deseje tornar-se um Buda futuro;
Sua única preocupação deveria ser,
Como um pensamento segue a um pensamento,
Evitar agarrar qualquer um deles".


Porque pensar em tornar-se um futuro Buda é um pensamento. Também é um pensamento. E os pensamentos são sombras, são fantasmas, são alucinações. Não podemos ser ou fazer nada com um pensamento senão pensá-lo. Como num sonho. E assim estamos dormindo. Nossos sonhos são os pensamentos. Fantasias. Loucuras. E nossa maior loucura é agarrar um pensamento após o outro, tentar pegá-los, seguir o seu curso, acreditar neles, pensar que são verdade, que são a consciência do eu. Tornar-se um Buda futuro é um desejo, um pensamento. Mas o Buda não é pensamento. Assim, deixemos que se vão os pensamentos no seu curso. Na confusão de suas interligações. Até que, se houve um espaço de silêncio entre dois pensamentos, nesse silêncio estaremos em paz. Quando o pensamento cessa.

domingo, 29 de abril de 2012

MANILA


ROMÂNIA


LIVERPOOL


PAQUISTÃO


SUDÃO






OS ÚLTIMOS DIAS DE BIN LADEN


JULIO CORTAZAR - CASA TOMADA



Casa tomada

Julio Cortazar




Nos gustaba la casa porque aparte de espaciosa y antigua (hoy que las casas antiguas sucumben a la mas ventajosa liquidación de sus materiales) guardaba los recuerdos de nuestros bisabuelos, el abuelo paterno, nuestros padres y toda la infancia.
Nos habituamos Irene y yo a persistir solos en ella, lo que era una locura pues en esa casa podían vivir ocho personas sin estorbarse. Hacíamos la limpieza por la mañana, levantándonos a las siete, y a eso de las once yo le dejaba a Irene las ultimas habitaciones por repasar y me iba a la cocina. Almorzábamos al mediodía, siempre puntuales; ya no quedaba nada por hacer fuera de unos platos sucios. Nos resultaba grato almorzar pensando en la casa profunda y silenciosa y como nos bastábamos para mantenerla limpia. A veces llegábamos a creer que era ella la que no nos dejo casarnos. Irene rechazo dos pretendientes sin mayor motivo, a mi se me murió María Esther antes que llegáramos a comprometernos. Entramos en los cuarenta años con la inexpresada idea de que el nuestro, simple y silencioso matrimonio de hermanos, era necesaria clausura de la genealogía asentada por nuestros bisabuelos en nuestra casa. Nos moriríamos allí algún día, vagos y esquivos primos se quedarían con la casa y la echarían al suelo para enriquecerse con el terreno y los ladrillos; o mejor, nosotros mismos la voltearíamos justicieramente antes de que fuese demasiado tarde.
Irene era una chica nacida para no molestar a nadie. Aparte de su actividad matinal se pasaba el resto del día tejiendo en el sofá de su dormitorio. No se porque tejía tanto, yo creo que las mujeres tejen cuando han encontrado en esa labor el gran pretexto para no hacer nada. Irene no era así, tejía cosas siempre necesarias, tricotas para el invierno, medias para mi, mañanitas y chalecos para ella. A veces tejía un chaleco y después lo destejía en un momento porque algo no le agradaba; era gracioso ver en la canastilla el montón de lana encrespada resistiéndose a perder su forma de algunas horas. Los sábados iba yo al centro a comprarle lana; Irene tenía fe en mi gusto, se complacía con los colores y nunca tuve que devolver madejas. Yo aprovechaba esas salidas para dar una vuelta por las librerías y preguntar vanamente si había novedades en literatura francesa. Desde 1939 no llegaba nada valioso a la Argentina.
Pero es de la casa que me interesa hablar, de la casa y de Irene, porque yo no tengo importancia. Me pregunto qué hubiera hecho Irene sin el tejido. Uno puede releer un libro, pero cuando un pullover está terminado no se puede repetirlo sin escándalo. Un día encontré el cajón de abajo de la cómoda de alcanfor lleno de pañoletas blancas, verdes, lila. Estaban con naftalina, apiladas como en una mercería; no tuve valor para preguntarle a Irene que pensaba hacer con ellas. No necesitábamos ganarnos la vida, todos los meses llegaba plata de los campos y el dinero aumentaba. Pero a Irene solamente la entretenía el tejido, mostraba una destreza maravillosa y a mi se me iban las horas viéndole las manos como erizos plateados, agujas yendo y viniendo y una o dos canastillas en el suelo donde se agitaban constantemente los ovillos. Era hermoso.
Cómo no acordarme de la distribución de la casa. El comedor, una sala con gobelinos, la biblioteca y tres dormitorios grandes quedaban en la parte mas retirada, la que mira hacia Rodríguez Peña. Solamente un pasillo con su maciza puerta de roble aislaba esa parte del ala delantera donde había un baño, la cocina, nuestros dormitorios y el living central, al cual comunicaban los dormitorios y el pasillo. Se entraba a la casa por un zaguán con mayólica, y la puerta cancel daba al living. De manera que uno entraba por el zaguán, abría la cancel y pasaba al living; tenía a los lados las puertas de nuestros dormitorios, y al frente el pasillo que conducía a la parte mas retirada; avanzando por el pasillo se franqueaba la puerta de roble y mas allá empezaba el otro lado de la casa, o bien se podía girar a la izquierda justamente antes de la puerta y seguir por un pasillo mas estrecho que llevaba a la cocina y el baño. Cuando la puerta estaba abierta advertía uno que la casa era muy grande; si no, daba la impresión de un departamento de los que se edifican ahora, apenas para moverse; Irene y yo vivíamos siempre en esta parte de la casa, casi nunca íbamos más allá de la puerta de roble, salvo para hacer la limpieza, pues es increíble como se junta tierra en los muebles. Buenos Aires será una ciudad limpia, pero eso lo debe a sus habitantes y no a otra cosa. Hay demasiada tierra en el aire, apenas sopla una ráfaga se palpa el polvo en los mármoles de las consolas y entre los rombos de las carpetas de macramé; da trabajo sacarlo bien con plumero, vuela y se suspende en el aire, un momento después se deposita de nuevo en los muebles y los pianos.
Lo recordaré siempre con claridad porque fue simple y sin circunstancias inútiles. Irene estaba tejiendo en su dormitorio, eran las ocho de la noche y de repente se me ocurrió poner al fuego la pavita del mate. Fui por el pasillo hasta enfrentar la entornada puerta de roble, y daba la vuelta al codo que llevaba a la cocina cuando escuché algo en el comedor o en la biblioteca. El sonido venia impreciso y sordo, como un volcarse de silla sobre la alfombra o un ahogado susurro de conversación. También lo oí, al mismo tiempo o un segundo después, en el fondo del pasillo que traía desde aquellas piezas hasta la puerta. Me tire contra la pared antes de que fuera demasiado tarde, la cerré de golpe apoyando el cuerpo; felizmente la llave estaba puesta de nuestro lado y además corrí el gran cerrojo para más seguridad.

Fui a la cocina, calenté la pavita, y cuando estuve de vuelta con la bandeja del mate le dije a Irene:

-Tuve que cerrar la puerta del pasillo. Han tomado parte del fondo.

Dejó caer el tejido y me miró con sus graves ojos cansados.

-¿Estás seguro?

Asentí.

-Entonces -dijo recogiendo las agujas- tendremos que vivir en este lado.

Yo cebaba el mate con mucho cuidado, pero ella tardó un rato en reanudar su labor. Me acuerdo que me tejía un chaleco gris; a mi me gustaba ese chaleco.
Los primeros días nos pareció penoso porque ambos habíamos dejado en la parte tomada muchas cosas que queríamos. Mis libros de literatura francesa, por ejemplo, estaban todos en la biblioteca. Irene pensó en una botella de Hesperidina de muchos años. Con frecuencia (pero esto solamente sucedió los primeros días) cerrábamos algún cajón de las cómodas y nos mirábamos con tristeza.

-No está aquí.

Y era una cosa mas de todo lo que habíamos perdido al otro lado de la casa.

Pero también tuvimos ventajas. La limpieza se simplificó tanto que aun levantándose tardísimo, a las nueve y media por ejemplo, no daban las once y ya estábamos de brazos cruzados. Irene se acostumbró a ir conmigo a la cocina y ayudarme a preparar el almuerzo. Lo pensamos bien, y se decidió esto: mientras yo preparaba el almuerza, Irene cocinaría platos para comer fríos de noche. Nos alegramos porque siempre resultaba molesto tener que abandonar los dormitorios al atardecer y ponerse a cocinar. Ahora nos bastaba con la mesa en el dormitorio de Irene y las fuentes de comida fiambre.
Irene estaba contenta porque le quedaba mas tiempo para tejer. Yo andaba un poco perdido a causa de los libros, pero por no afligir a mi hermana me puse a revisar la colección de estampillas de papa, y eso me sirvió para matar el tiempo. Nos divertíamos mucho, cada uno en sus cosas, casi siempre reunidos en el dormitorio de Irene que era más cómodo. A veces Irene decía:

-Fijate este punto que se me ha ocurrido. ¿No da un dibujo de trébol?

Un rato después era yo el que le ponía ante los ojos un cuadradito de papel para que viese el mérito de algún sello de Eupen y Malmédy. Estábamos bien, y poco a poco empezábamos a no pensar. Se puede vivir sin pensar.
(Cuando Irene soñaba en alta voz yo me desvelaba en seguida. Nunca pude habituarme a esa voz de estatua o papagayo, voz que viene de los sueños y no de la garganta. Irene decía que mis sueños consistían en grandes sacudones que a veces hacían caer el cobertor. Nuestros dormitorios tenían el living de por medio, pero de noche se escuchaba cualquier cosa en la casa. Nos oíamos respirar, toser, presentíamos el ademán que conduce a la llave del velador, los mutuos y frecuentes insomnios.
Aparte de eso todo estaba callado en la casa. De día eran los rumores domésticos, el roce metálico de las agujas de tejer, un crujido al pasar las hojas del álbum filatélico. La puerta de roble, creo haberlo dicho, era maciza. En la cocina y el baño, que quedaban tocando la parte tomada, nos poníamos a hablar en vos mas alta o Irene cantaba canciones de cuna. En una cocina hay demasiados ruidos de loza y vidrios para que otros sonidos irrumpan en ella. Muy pocas veces permitíamos allí el silencio, pero cuando tornábamos a los dormitorios y al living, entonces la casa se ponía callada y a media luz, hasta pisábamos despacio para no molestarnos. Yo creo que era por eso que de noche, cuando Irene empezaba a soñar en alta voz, me desvelaba en seguida.)
Es casi repetir lo mismo salvo las consecuencias. De noche siento sed, y antes de acostarnos le dije a Irene que iba hasta la cocina a servirme un vaso de agua. Desde la puerta del dormitorio (ella tejía) oí ruido en la cocina; tal vez en la cocina o tal vez en el baño porque el codo del pasillo apagaba el sonido. A Irene le llamo la atención mi brusca manera de detenerme, y vino a mi lado sin decir palabra. Nos quedamos escuchando los ruidos, notando claramente que eran de este lado de la puerta de roble, en la cocina y el baño, o en el pasillo mismo donde empezaba el codo casi al lado nuestro.
No nos miramos siquiera. Apreté el brazo de Irene y la hice correr conmigo hasta la puerta cancel, sin volvernos hacia atrás. Los ruidos se oían mas fuerte pero siempre sordos, a espaldas nuestras. Cerré de un golpe la cancel y nos quedamos en el zaguán. Ahora no se oía nada.

-Han tomado esta parte -dijo Irene. El tejido le colgaba de las manos y las hebras iban hasta la cancel y se perdían debajo. Cuando vio que los ovillos habían quedado del otro lado, soltó el tejido sin mirarlo.

-¿Tuviste tiempo de traer alguna cosa? -le pregunté inútilmente.

-No, nada.

Estábamos con lo puesto. Me acordé de los quince mil pesos en el armario de mi dormitorio. Ya era tarde ahora.
Como me quedaba el reloj pulsera, vi que eran las once de la noche. Rodeé con mi brazo la cintura de Irene (yo creo que ella estaba llorando) y salimos así a la calle. Antes de alejarnos tuve lástima, cerré bien la puerta de entrada y tiré la llave a la alcantarilla. No fuese que algún pobre diablo se le ocurriera robar y se metiera en la casa, a esa hora y con la casa tomada.

Claude Lefort - A QUESTÃO DA REVOLUÇÃO



A QUESTÃO DA REVOLUÇÃO

Claude Lefort



[...]Com efeito, é preciso dize-lo: a história das sociedades modernas não se resume ao curso das grandes revoluções; estas não constituem os episódios de uma Revolução universal e é aberrante supor que no intervalo delas operar-se-ia (segundo a fórmula em moda) apenas a reprodução das relações sociais de dominação e de exploração. Ë preciso dizê-lo ainda: a idéia da Revolução, como acontecimento absoluto, fundação de um mundo no qual os homens dominariam inteiramente as instituições, concordariam no conjunto de suas atividades e de seus fins, de um mundo no qual o Poder se dissolveria no fluxo das decisões coletivas, a lei no fluxo das vontades, de onde o conflito seria eliminado, essa idéia pactua secretamente com a representação totalitária; a crença em uma sociedade que se ordenasse organicamente, como inteiramente de dentro de si mesma, reenvia a uma referência inteiramente externa, à posição de um grande Outro que abarcaria o conjunto e o constituiria como Uno.
Contudo, a critica pode parar aí?

Primeira observação: se nos ativermos à idéia de revolução não precisaríamos perguntar de onde surgiu? Não nasceu inteiramente adulta na cabeça dos atores jacobinos, nem mesmo, como se comprazem em repetir, do germe depositado pelo discurso de Rousseau. Se, como observa justamente Furet, ela implica a noção de uma ruptura entre o antigo e o novo e, simultaneamente, na de uma repartição entre o bem e o mal, o racional e o irracional, ou ainda na de uma humanidade que faria de si mesma sua própria obra, todas essas noções surgiram bem anteriormente, na Europa, pela primeira vez, creio, no começo do século XV em Florença — e já poderosamente investidas de um sentido político. E pode-se observar de passagem que os jacobinos herdaram dos heróis do Renascimento: os romanos, os espartanos, os legisladores e os tiranicidas da Antiguidade. Ou seja, “humanismo civil” em Florença, ou na França, na metade do século XVI, ou na Inglaterra no XVII não engendra a idéia da Revolução, mas a anuncia. Ora, não é por acaso se toma impulso em sociedades de um novo tipo, sociedades que se unificam, se homogeneizam, se circunscrevem em função da pertença comum dos homens a um território, conquistam uma identidade nacional, experimentam suas divisões internas num mesmo espaço simbólico, enfim, ordenam-se em conseqüência de um poder de Estado, instância da coerção generalizada e núcleo último da legitimidade, cuja aparição revolve todos os dados da Tradição e intriga. Não penso que se possa dissociar a idéia nova da Revolução da idéia nova do Estado; a idéia da fundação originária da do surgimento de um poder que garante à sociedade sua unidade, sua identidade, apresentando-se como seu produto e, ao mesmo tempo, correndo o risco de aparecer como um órgão particular, um órgão de fato confundido com a pessoa do Príncipe — alguma coisa que se pode destruir.
Ora, reconhecer a ligação entre essas duas idéias (a da Revolução e a do Estado) induziria a retomar a crítica do imaginário que se desvela no discurso revolucionário e a rearticulá-la com uma crítica do imaginário veiculado pela posição do poder estatal moderno. E induziria ainda a nos perguntarmos se, no nosso próprio tempo, quando se afirma, como jamais anteriormente, no detalhe da vida social, o ponto de vista do Estado, se pode apagar-se a idéia de Revolução ou se, pelo menos, pode-se imputá-la simplesmente ao fantasma.
Segunda observação: não se pode interrogar a revolução
atendo-se à sua idéia — ou, melhor, à representação dos atores que se comportam como os encarregados da missão da História universal e pretendem que a Revolução fale pela sua boca. A idéia de Revolução, tal como é extraída do discurso dos revolucionários, até mesmo da ação que se realiza sob o signo desse discurso, não se teria formado ou teria permanecido privada de eficácia se faltasse uma sublevação das massas. Chamaremos revolta a essa sublevação? Se se quiser. Mas então reconheçamos que não se pode cortar o cordão umbilical que liga a revolução à revolta.
De minha parte recuso uma distinção convencional nos termos da qual a revolução se caracterizaria pela consciência que os combatentes têm de seus objetivos, como se os homens alguma vez tivessem tido, ao se sublevar, a noção clara de uma nova ordem que os libertaria da dominação e da exploração. O que dá à revolução seu caráter específico é o tipo de sociedade no qual se desenvolve (reato assim com o meu primeiro argumento), é que as massas, seja qual for o objeto de suas primeiras reivindicações, se chocam contra o Estado, contra um poder garantia da unidade e da identidade nacionais e que opondo a violência à sua violência, denegam sua legitimidade e atingem, no mesmo lance, a integridade do corpo político. Assim compreende-se que uma ação violenta aparentemente localizada adquira um alcance simbólico e provoque múltiplas sublevações a partir de focos que não se comunicam entre si.
A Revolução, foi dito freqüentemente, é o resultado da luta de classes, mas é preciso ainda que esta se exerça num quadro em que a divisão de classes se combine com a divisão do conjunto social e do Estado e que todos os conflitos acumulados no seio da sociedade civil possam ser referidos à noção de uma oposição política e de um princípio da dominação. É preciso ainda que estejam dadas as condições de uma polarização geral entre o Alto e o Baixo, de tal maneira que em caso de enfraquecimento do Poder, aquilo que comumente está ligado a ele, a Autoridade, cristaliza contra si todos os ódios; de tal maneira, enfim, que em toda a extensão da sociedade, camadas estratificadas no seio das quais se repetia a relação dominante-dominado, possam de súbito ligar-se maciçamente ao Baixo e se sublevar contra o que aparece como o pólo adversário.
O fenômeno revolucionário é designado pelo sinal de uma operação de revolvimento que tende a propagar-se em todos os setores de socialização e a afetar todas as redes simbólicas. Ora, é bom precisar que esse revolvimento revolucionário nada deve à idéia de Revolução, robespierrista ou leninista, ou ao que Richir chama a vontade de encarnar “a transcendência prática”. Observando-a não se poderia nem mesmo falar da Revolução “no singular, precedida do artigo definido”, de acordo com a feliz expressão de Furet, ou da Revolução com maiúscula.
O acontecimento nada tem de uniforme e, com a permissão da palavra, é antes de uma revolução plural que se trata. Seja qual for o exemplo histórico escolhido, o espetáculo da diversidade é o mesmo. Lembremo-nos apenas da Revolução Russa: há mil teatros da revolução, nas fábricas, nos escritórios, nos bairros, no campo, no Exército, na Universidade, nos círculos de escritores e de artistas, e rapidamente todas as normas das instituições são repostas em questão. Não há diretor que regulamente o movimento dos atores. O que impressiona o observador é a paixão da auto-organização que anima múltiplas coletividades, a criação de sovietes, comitês de usina, comitês de bairro, de camponeses, soldados, milícias, associações de todo tipo, e é a afirmação reiterada por uns e outros de um direito de decidir aqui e agora sobre as ocupações de que têm experiência, direito freqüentemente reivindicado às custas do que é denunciado como a abstração Sociedade, encarnada nos decretos do governo.
Assim não há apenas emergência do Baixo e a imagem do revolvimento é, em parte, inadequada: ao mesmo tempo que a
sociedade bascula ela se descentra, o tecido das relações sociais adquire uma vida insuspeitada e se diferencia furtando-se às garras do poder estatal.
Talvez, dir-se-á, mas a experiência ensina que essa revolução plural fracassa, que deixada a si mesma conduziria a uma dissolução da comunidade nacional, que na realidade a Revolução se afirma no singular. Se se fala da Revolução mais vale, pois, se interessar no vem-a-ser. Já respondi que não se pode fazer a economia de uma análise do fato revolucionário a partir do momento em que apresenta constantes notáveis e que, à sua falta, a idéia de revolução não se formaria. E, por minha vez, coloco uma questão: pode-se afirmar que nenhum ensinamento poderia ser tirado na hipótese de uma sublevação revolucionária em nosso tempo, daquilo que a Revolução se torna — o que se tomou sob o impulso dos jacobinos e dos bolcheviques? Ou, em outros termos, seguramente preferíveis:
se uma revolução explodisse em uma sociedade que assimilou na sua. estrutura os efeitos do jacobinismo e do bolchevismo não se beneficiaria de uma experiência do fenômeno da burocracia e não engendraria uma imagem nova do possível e do impossível?
Chego assim a uma terceira reflexão. Esta concerne à articulação estabelecida por Richir entre a Revolução e o totalitarismo. Se afirmássemos que uma engendra inelutavelmente a outra deveríamos concluir que não há revolução antitotalitária possível ou que ela não serviria senão para reforçar o regime estabelecido. Não é talvez o pensamento de Richir uma vez que apenas toma por alvo a idéia da Revolução jacobino-bolchevique e que está consciente das contradições que trabalham o totalitarismo. Mas então mais vale dizer claramente que a crítica da mitologia revolucionária, do fantasma da “boa sociedade”, da sociedade sem divisões, deixa em aberto a questão da Revolução.
Eu me espantava, antes de ouvir Akos Puskas, que nenhuma referência fosse feita às sublevações de que a Europa do Leste foi teatro e, principalmente, à Hungria. Sua intervenção é preciosa porque chama a atenção para os traços específicos da revolução antitotalitária e tenta mostrar que esta reata com a revolta (já disse porque este termo, definitivamente, não me parecia pertinente, mas pouco importa...) manifestando uma sensibilidade nova para com os efeitos destruidores da ideologia revolucionária (o que ele chama de revolucionarismo). Não é o lugar para nos estendermos sobre o
fenômeno húngaro. Contudo, importa sublinhar brevemente um duplo aspecto.
De um lado, a revolução apresenta-se sob os traços que mencionei: é uma revolução plural que passa por múltiplos centros; desenvolve-se nas fábricas, na Universidade, nos setores da cultura, no da informação, vê a proliferação de comitês de fábrica e de sovietes locais, de associações diversas, de partidos políticos, de assembléias. Esse processo selvagem se parece com todos aqueles conhecidos pelo primeiro quarto do século. As formas de organização e os métodos de luta próprios ao movimento operário são espontaneamente “reencontrados”. Espontaneidade tanto mais espetacular porque a presença dos exércitos russos impede, em larga medida, a coordenação das iniciativas no conjunto do país.
Mas, fato novo e bastante notável: de todos os lados manifesta-se a procura de um novo modelo político que combinasse vários tipos de poder e impedisse assim que um aparelho de Estado se solidificasse e se destacasse da sociedade civil. Deseja-se um Parlamento eleito pelo sufrágio universal (cuja eficácia seria garantida pela existência de múltiplos partidos em competição), um governo eleito por ele e permanecendo sob seu controle; deseja-se uma federação de conselhos operários que dirija os negócios econômicos nacionais — o que, evidentemente, lhe confere um papel político —e deseja-se também sindicatos democráticos que defendam os interesses específicos dos trabalhadores face aos órgãos socialistas dirigentes, isto é, face ao governo e face aos próprios conselhos. Simultaneamente deseja-se devolver à justiça, à informação, ao ensino, a cada setor da cultura, sua autonomia. Em suma, procura-se a fórmula de uma democracia socialista, infinitamente mais extensa do que jamais o foi a democracia burguesa.
A meus olhos não há nada que nos informe melhor sobre a inspiração da revolução húngara que a discussão sobre a função dos conselhos operários quando da Assembléia Constituinte do conselho central de Budapeste. Prevalece a tese de que os conselhos, assumindo de imediato a responsabilidade política em escala nacional, devem abster-se de reivindicar todo o poder no futuro regime sob pena de se exporem a recriar as condições do totalitarismo após terem destruído o monopólio do Partido Comunista. A compreensão do perigo burocrático me parece, aqui, achar-se no seu mais alto
grau, nessa assembléia operária que acaba de dar o máximo de atenção para o problema da representatividade de seus membros e que se recusa a confundir, de maneira geral, democracia e representação, que reconhece que a primeira supõe uma diferenciação das fontes de autoridade e um jogo entre direitos específicos.
Estas indicações são, por certo, rápidas demais, porém eu queria assinalar que a revolução húngara, enquanto revolução espontânea, plural, desembocou imediatamente no problema da constituição geral da sociedade (constituição não sendo tomada numa acepção jurídica, ainda que a preocupação jurídica seja essencial face a um sistema no qual a dimensão da lei foi denegada). Desembocou imediatamente, em outros termos, no problema político e procurou a ele responder inscrevendo, projetando no espaço institucional os sinais da descompressão do social que ela instaurava por seu próprio movimento. Se nos interrogarmos sobre a revolução é preciso meditar sobre esta experiência, não nos contentarmos em imputar o projeto de revolução à ideologia (o que poderia permanecer sob o domínio da ideologia, numa posição complementar do revolucionarismo) mas nos aplicarmos em conceber a figura do novo.
["A invenção democrática" ]
 

                          

TAO

CAPA DA EDIÇÃO JAPONESA DE 1770

TAO TE CHING - Lao Tse - O Livro do Caminho - Tradução do Mestre Wu Jyn Cherng


As cinco cores tornam os olhos do homem cegos
As cinco notas tornam os ouvidos do homem surdos
Os cinco sabores tornam a boca do homem insensível
Carreiras de caça no campo tornam o coração do homem enlouquecido
Os bens de difícil obtenção tornam a caminhada do homem prejudicada
Por isso, o Homem Sagrado se realiza pelo ventre e não pelo olho
Assim, afasta este e escolhe aquele

sábado, 28 de abril de 2012

HOLLANDE


L. RUAS

Estas aves vêm sempre, ao fim da tarde,
Descansar seus remígios agourentos
No pomar de onde colho doces frutos
Com que faço meus vinhos suculentos.
Elas vêm de bem longe. Me olham sempre
Com desdém. E nas asas trazem ventos
Que uma vez, já faz tempo, naufragaram
Minha nave que nautas desatentos
Dirigiam. E estas aves eu me espiam
Lá de cima das arvores crescidas
No pomar irrigado com águas verdes.
Bem conhecem meu fim. Vencido nauta
Pus-me, agora, a plantar frondosas copas
Que sugerem veleiros em meu canto.


l.ruas

A vulgarização do debate intelectual


A vulgarização do debate intelectual

Grotesco o nível do debate entre Roberto Schwarz e Caetano Veloso, somente possível mesmo pela vulgarização promovida por certa elite intelectual paulistana. Um grande crítico literário, responsável pelas melhores análises sobre a obra de Machado de Assis, decidiu voltar-se sobre as elocubraçoes “intelectuais” de Caetano e recebeu a resposta no nível deste: que Roberto e Marilena Chauí falem sobre a Coreia do Norte.

A vulgarização do debate teórico encontra na velha mídia seu lugar privilegiado. Canastrões aposentados das suas profissões – ex-diretores de cinema, ex-escritores, ex-músicos, ex-atores, etc. etc. – refugiam-se no final de carreira no colo da velha mídia, renunciam ao que tiveram de rebeldia na juventude e recebem generosos espaços para tentar superar seus velhos sentimentos de inferioridade em relação ao mundo intelectual e deitar falação sobre qualquer tema – sempre contra a esquerda, o PT, o governo, Lula – nos espaços sem prestígio e sem leitores.

A combinação entre a vulgarização promovida pela Globo – que afeta centralmente o cinema brasileiro, incapaz de abordar os grandes temas nacionais, ao contrário do cinema argentino – e pela elite tucana paulistana, tem tido um efeito muito negativo sobre o clima intelectual. Personagens sem nenhuma capacidade de análise se enfrentam no preconceito insuperável, para eles, do governo Lula.

Ficar com Lula ou com a Globo? Ficar com Lula ou com a FSP? Entre a solidariedade com o povo que, pela primeira vez consegue acesso a direitos elementares, ou ter a hostilidade, eventualmente a marginalização dos espaços que lhes oferece a velha mídia, vários preferiram esta alternativa.

Ressalta mais ainda, nesse cenário deprimente de um suposto debate intelectual, figuras como a da Marilena Chaui, que se nega a ocupar espaços nessa mídia (convidada para colunista da FSP, se negou, da mesma forma que Jose Luís Fiori e outros mais), de fazer parte dessa pantomima, desse circo da “falsa cultura” de que falava Millor. Os dois vídeos da Marilena sobre a democracia, feitos durante a campanha eleitoral de 2010, tiveram mais de 250 mil acessos, certamente a grande maioria de jovens, os ausentes absolutos dessas farsas intelectuais dos otavinhos.

Postado por Emir Sader às 09:24

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Lula receberá título de cinco universidades no Rio de Janeiro

Lula receberá título de cinco universidades no Rio de Janeiro

Um dia antes, na quinta-feira e também no Rio, o ex-presidente estará presente nas comemorações dos 60 anos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
Brasília - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebe na sexta-feira o título de doutor honoris causa de cinco universidades do Rio de Janeiro. O evento acontece no Teatro João Caetano, na Praça Tiradentes.

São elas a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Um dia antes, na quinta-feira e também no Rio, o ex-presidente estará presente nas comemorações dos 60 anos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e participará de seminário sobre investimentos na África.

Nesta semana, Lula esteve em Brasília para a exibição de documentário sobre o período entre a eleição e a posse da presidente Dilma Rousseff. São suas primeiras viagens após o diagnóstico de remissão total do câncer na laringe obtido em março.


GUARDIÕES


Com cheia do rio Negro, Manaus decreta situação de emergência


Com cheia do rio Negro, Manaus decreta situação de emergência
 

O nível do rio Negro atingiu 28,96 m na última quarta-feira, o que levou a prefeitura a decretar situação de emergência em Manaus (AM) . Foto: Clóvis Miranda/Defesa Civil/Divulgação O nível do rio Negro atingiu 28,96 m na última quarta-feira, o que levou a prefeitura a decretar situação de emergência em Manaus (AM)
Foto: Clóvis Miranda/Defesa Civil/Divulgação
Arnoldo Santos
Direto de Manaus
A Prefeitura de Manaus decretou situação de emergência no final da tarde desta sexta-feira em função das cheias que atingem o município. O documento autoriza a subsecretaria municipal da Defesa Civil a executar o Plano Emergencial de Resposta aos Desastres.
O principal motivo da medida foi o aumento do nível das águas do rio Negro. O índice, que atingiu 28,96 m na última quarta-feira, foi considerado fator de emergência para as áreas ribeirinhas da cidade. Pelo levantamento de prefeitura, se o rio continuar a subir pela média atual, cerca de 7 cm por dia, mais de 3,6 mil famílias sofrerão com a enchente. Pelo menos 11 bairros terão áreas alagadas, somando cerca de 18,3 mil pessoas prejudicadas. O total estimado de casas alagadas seria de 3.468.
O Plano Emergencial de Resposta aos Desastres prevê obras como construção de pontes de madeira, ações básicas de saúde - com a distribuição de medicamentos e cartilhas - e a concessão do Cartão-Enchente, no valor de cerca de R$ 400, para as pessoas cadastradas e comprovadamente prejudicadas pelas enchentes.
Com a medida tomada por Manaus, sobre para 14 o número de municípios do Amazonas que decretaram situação de emergência em função da cheia deste ano. De acordo com dados da Defesa Civil do Estado, 43,3 mil famílias já sofrem algum tipo de prejuízo com a elevação do nível das águas. As cheias dos rios Juruá e Purus são as que mais afetam a população do Amazonas.
A ajuda humanitária que está sendo enviada para as regiões mais prejudicadas já supera as 100 t, entre kits de higiene pessoal, medicamentos, filtros microbiológicos e hipoclorito de sódio. O montante de recursos do Governo Federal para o Estado ultrapassou os R$ 10,5 milhões.

O Uruguai, por Eduardo Galeano


O Uruguai, por Eduardo Galeano

 EMIR SADER

Até um certo momento o Uruguai só era mencionado no Brasil por duas coisas: ricos iam se divorciar e/ou casar e ter lua-de-mel em Punta del Este e pela derrota no fatídico dia 16 de julho de 1950 para a seleção Uruguai no Maracanã, de virada, na Copa do Mundo feita para o Brasil ser campeão. Alguns haviam passado por Montevidéu e diziam que ficava a meio caminho entre Porto Alegre e Buenos Aires.

“Os uruguaios temos certa tendência a crer que nosso país existe, embora o mundo não o perceba”, diz Galeano. “Os grandes meios de comunicação, aqueles que têm influência universal, jamais mencionam esta nação pequenina e perdida ao sul do mapa.”

Um país de poucos milhões de habitantes que, como diz ele, tem população similar a alguns bairros das grandes cidades do mundo, mas que provocaria algumas surpresas para quem se arriscasse a chegar por ali.


Um país que aboliu os castigos corporais nas escolas 120 anos antes da Grã-Bretanha. O Uruguai adotou a jornada de trabalho de oito horas um ano antes dos Estados Unidos e quatro anos antes da França. Teve lei do divórcio setenta anos antes da Espanha e voto feminino quatorze anos antes da França.

O Uruguai teve proporcionalmente o maior exílio durante a ditadura militar, em comparação com sua população. Assim, tem cinco vezes mais terra do que a Holanda e cinco vezes menos habitantes. Tem mais terra cultivável que o Japão e uma população quarenta vezes menor.

O país ficou relegado a uma população escassa e envelhecida. Tristemente Galeano diz que “poucas crianças nascem, nas ruas vêem-se mais cadeiras de rodas do que carrinhos de nenês”.

Ainda assim, Galeano consigna bons motivos para gostar do seu país: “Durante a ditadura militar, não houve no Uruguai nem um só intelectual importante, nem um só cientista relevante, nem um só artista representativo, único que fosse, disposto a aplaudir os mandões. E nos tempos que correm, já na democracia, o Uruguai foi o único país do mundo que derrotou as privatizações em consulta popular: no plebiscito de fins de 92, 72% dos uruguaios decidiram que os serviços essenciais continuaram sendo públicos. A notícia não mereceu sequer uma linha na imprensa mundial, embora se constituísse numa insólita prova de senso comum.” Talvez por esses “maus exemplos” tentam desconhecer o Uruguai, apesar da insistência dos uruguaios de afirmar que seu país existe.

Por tudo isso, Galeno se orgulha do seu “paisito”, “este paradoxal país onde nasci e tornaria a nascer”.

LAMBORGHINI AGORA EM MUMBAI


Lamborghini showroom now in Mumbai

by Abhishek Chaliha Posted on 26 Apr 201213,424 Views0 Comments

Lamborghini has opened it's second showroom in India, specifically in Southern Mumbai's up-scale Prabhadevi area. The sportscar maker is looking to set up a National Sales Company in India with the help of its parent company Volkswagen. It Plans to sell up to 50 supercars in India by 2015. The supercar maker has big plans for upcoming SUV, Urus, in India

Lamborghini Aventador


Italian maker of dreams, Automobili Lamborghini, has opened its second showroom in India, specifically in Southern Mumbai’s up-scale Prabhadevi area. Lamborghini’s first showroom in India happens to be Delhi based Exclusive Motors where their latest supercar, the Aventador, made its India debut. Lamborghini has appointed Autohanger as its dealer in Mumbai. The Italian supercar maker is a part of the Volkswagen Group with whose help they intend to setup its own National Sales Company (NSC). As of now Exclusive Motors serves Lamborghini customers in North India and the new showroom in Mumbai will serve customers in Western India.

Stephen Winkelmann, President and CEO, Automobili Lamborghini, was there to declare the showroom open. Talking about future plans of the raging bull in India he mentioned that Lamborghini plans to sell about 50 supercars by 2015 in India.


Lamborghini Gallardo Bicolore


In recent times India has seen supercar and sportscar makers like Aston Martin, Ferrari and Maserati storm into the market with their entire product range to meet demands. However, due to limited infrastructure in terms of driveable road network sales of low slung sportscars and supercars will remain constrained for the time being. This is why performance car makers like Lamborghini and Maserati are more equal than others with their upcoming luxury performance SUVs.

Lamborghini’s upcoming SUV, the Urus was recently unveiled at the 2012 Beijing Motor Show. Winkelmann rightly expects the Urus to do well in the Indian market once the SUV hits the production lines at Sant’Agata Bolognese, Italy home of the only Lamborghini factory.


Lamborghini Urus


Lamborghini currently sells both its vehicles in India, the Gallardo and the all new Aventador.  The Lamborghini Gallardo comes with a 5.2 litre V10 engine and is priced upwards of Rs. 2 crore while the all-new Aventador comes with a 6.5 litre V12 engine and is priced close to Rs. 4 crore.

THE TIMES OF INDIA


Rio Negro continua subindo e suspende aulas em Itacoatiara (AM)

 

Rio Negro continua subindo e suspende aulas em Itacoatiara (AM)

A enchente do rio Negro em Itacoatiara, no leste do Amazonas, já desalojou mais de mil famílias, segundo a Defesa Civil local. Nesta terça-feira (24), a régua da estação telemétrica da ANA (Agência Nacional de Águas) aferiu nível de 14,37 metros, acima da cota de alerta para enchente que é de 11,02 metros.
Mais de 2.500 ficaram sem aulas por conta da enchente nas escolas. Além disso, muitas ruas e avenidas ficaram completamente alagadas em Itacoatiara. Nesta terça-feira, uma estação meteorológica automática operada pelo INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) registrou acumulado de chuva de 96,6 mm.

(Foto: TV Amazonas)
(Fonte: De Olho No Tempo – Meteorologia)
Permitida a reprodução total ou parcial desta nota desde que citada a fonte “De Olho No Tempo – Meteorologia”
O material exposto no site De Olho No Tempo – Meteorologia provém de conteúdo próprio e/ou agências terceirizadas de noticias, apenas a titulo de repercussão e manutenção do quadro de registros climáticos no Brasil e mundo afora contribuindo para a meteorologia brasileira ao que se refere em acervos de registros. Os dados sobre previsões são gerados com base em informações disponíveis nos sítios dos respectivos institutos de meteorologia públicos citados ao final de cada nota. No Brasil, apenas INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) e CPTEC/INPE (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos) do (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) podem emitir alertas ou avisos meteorológicos, os quais, sempre citamos as fontes provenientes.  O De Olho No Tempo – Meteorologia não faz previsão de tempo, apenas repercute os dados com embasamento.

'Julgamento do mensalão terá sessões especiais', diz Ayres Britto

Em entrevista em vídeo ao iG, novo presidente do Supremo fala sobre brigas entre ministros, poderes do CNJ, misticismo e poesia

Tales Faria e Wilson Lima, iG Brasília |

O ministro Carlos Augusto Ayres de Freitas Britto comandou na quarta-feira (25) a sua primeira sessão como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). O primeiro julgamento de Ayres Britto discute a constitucionalidade das cotas raciais para ingresso em universidades públicas. Com apenas um voto, o julgamento foi interrompido e será retomado nesta quinta-feira.

O tema voltou ao Supremo uma semana após os ministros Joaquim Barbosa, vice-presidente da Corte, e Cézar Peluso, ex-presidente, trocarem ofensas pessoais pela imprensa. Peluso classificou o colega como inseguro e Barbosa, chamou indiretamente o ex-presidente de racista. A briga entre os dois criou uma crise interna no Supremo.

O novo presidente do STF recebeu a reportagem do iG ontem em seu gabinete, na Praça dos Três Poderes. Ele afirmou, no entanto, em entrevista gravada em vídeo, que não existe crise “no sentido institucional” no tribunal. Mas admitiu que há "uma rusga, um desentendimento entre dois ministros no plano subjetivo”. Rusgas essas que ele espera serem sanadas naturalmente e gradualmente a partir de outras sessões plenárias no Supremo.

Leia também: “É impossível manipular resultado”, afirma presidente do STF

Britto será presidente do STF por um período de sete meses. Nesse período, elencou como metas o julgamento do caso Mensalão e um pacto pelo cumprimento da Constituição. Sobre o Mensalão, Britto pretende realizar uma formatação de sessões diferenciadas. Isso significa sessões extras pela manhã ou prolongamento das sessões pela noite. Como isso será feito, ainda não está definido.

O medo do ministro é que alguns crimes prescrevam. Além disso, ele sabe que o julgamento pode perder ritmo se for realizado no segundo semestre, quando as atenções estarão voltadas para os casos ligados à Justiça Eleitoral. Hoje, quatro ministros do STF dividem suas funções com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “O ideal era que o processo eleitoral comece sozinho e não em paralelo ao chamado Mensalão. Mas se não for possível, ele seguirá em paralelo”.

Sobre esse pacto pró-Constituição, Britto defende maior rigor das ações de improbidade administrativa e classificou como “desvio da Constituição” ligações de políticos com bicheiros ou contraventores, como os que serão investigados no Congresso pela chamada CPI do Cachoeira. Hoje, pelo menos três deputados federais, dois governadores e um senador foram citados como tendo envolvimento com o empresário de jogos de azar, Carlinhos Cachoeira.

Com um perfil mais progressista que os antecessores Gilmar Mendes e Cézar Peluso, Ayres Britto se admite como um pensador de esquerda, ou melhor, “um ministro que postula uma primazia do social”.

Ele também defendeu os poderes de investigação do CNJ e afirmou: “Tanto erram os que pensam que o Judiciário pode passar muito bem sem o CNJ, como erram os que pensam que o CNJ pode passar muito bem sem o Poder Judiciário”.

Na entrevista, o novo presidente do Supremo tribunal Federal explicou a forma mística como vê o mundo. Poeta, até recitou um de seus poemas prediletos: Princípios, de sua autoria. “Não tenho metas ou objetivos a alcançar/ tenho princípios / e na companhia deles, não me pergunte aonde vou chegar”.

 

quinta-feira, 26 de abril de 2012

AS ÁGUAS DA NARRATIVA


AS ÁGUAS DA NARRATIVA


NEUZA MACHADO





As “águas” dessas lembranças míticas do narrador-personagem de Rogel Samuel “correm desde o sem princípio das partes íntimas” de sua narrativa. Anteriormente, em períodos literários do passado, a proposta de “princípio” narrativo estava submetida à força das “árvores de 70 metros de altura”, frondosas “árvores” conceituais, dominadoras, cerceadoras de um novo princípio narrativo. Tais “árvores” conceituais estavam/estão, talvez estarão ainda a impedir uma novíssima ultrapassagem verbal ─ ficcional ou paraliterária ─ contra as tradicionais seculares instituições preconceituosas de como se apresentar ao mundo. Urgia plantar outras, mais condizentes com a realidade do final do século XX. Necessita-se plantar outras mais harmônicas com este início de século XXI.
As “águas” (as lembranças imperecíveis do narrador) provêem “dos desconhecidos lugares da origem Numa”, uma tribo desconhecida geograficamente e que ficou à margem da história do Amazonas, por exigências sócio-substanciais. Desta tribo de índios audazes, só se perpetuaram os referentes conhecidos e aplaudidos ligados à força física, ao lado indômito, à imponente belicosidade do animus dessa tribo diferenciada. As “águas” (as lembranças) desses lugares da origem Numa ficaram desconhecidas por leis de “sobrevivência”, relegadas friamente ao esquecimento. “Se perdem”/se perderam no esquecimento, porque foram interditadas vergonhosamente pelo anterior regime patriarcal. Foram/são esquecidas e passaram/passam, porque, se íntimas, representaram/representam “perigo”, se fossem/se forem verbalizadas.
Essas “águas”, que vêem de “desconhecidas origens Numas”, são especiais, porque provêem do devaneio interno de quem narra. O narrador rogeliano Ribamar de Sousa a designa como uma “narrativa animal” porque ela é uma projeção da matéria primitiva que vigorou/vigora no imaginário-em-aberto do escritor. Refiro-me àquela matéria inovadora que surge entropicamente depois do repouso fervilhante, intimamente relacionada com os juízos de descoberta, de que nos fala Bachelard, em seu livro A Dialética da Duração.


(ESPLENDOR E DECADÊNCIA DO IMPÉRIO AMAZÔNICO)

CHEIA NO RIO TOCANTINS

A CHEIA

A obra póstuma

 A obra póstuma

 

Rogel Samuel

 

 

De modo que, amigo/a leitor/a, foi assim que Guimarães Rosa iniciou um discurso na Academia de Letras... pela conclusão. Um dia desses conto para você como foi o meu encontro com Guimarães Rosa. Hoje não. Hoje quero dizer que a tarde está fria. Chris, ou o seu disco, toca uma sonata de Schubert. Todas as tardes frias se parecem com uma sonata de Schubert. Eu só sei disso por ouvi-las numa tarde fria e escura. As tardes frias e escuras são profundas. Não é a toa que o carioca é leviano. Aqui não há tardes frias e escuras. Só dá para ser superficial. Chris é de Portland, no Oregon. Há paredes, na sonata de Schubert. Paredes por onde a imaginação se debate, entre esses muros ela se agita, sonha com o espaço. Ninguém pode prender um homem livre. Podem encarcerá-lo na profundeza das mais secreta masmorra, mas internamente ele permanece livre, disse alguém. Na sonata em A maior, está dito "Opus Posthumous", D. 959. É assim, nessa tarde póstuma. A sonata da morte. Mas tão leve, tão linda. Um dia estive para morrer, fui entrando num bom estado de paz, de tranqüilidade... até que o médico me deu uma injeção e despertei neste nosso mundo. Chris, eu me lembro dele em Friday Harbour, Whashington DC. Havia um piano velho, descobrimos um piano velho, no fundo do estádio, onde todos os dias Chris ia praticar. O teclado estava meio solto. O velho piano quebrado. Lá, eu, ele e Chrystal, sua esposa, ouvíamos Beethoven. Era o único piano daquela parte da ilha. Opus Posthumous, diz o disco. Tão fria, tão bela, e tão póstuma. Lembra a limpidez frígida do túmulo.

            A segunda vez que o encontrei foi na Austrália. Lá ele tinha um teclado portátil, com o qual podia tocar o Cravo Bem Temperado de Bach.  Som de cravo. Nós estávamos no meio de uma grande floresta, alguns quilômetros de Kyogle. Ao amanhecer havia vários animais. Nos cercavam, nos espiavam. Pessoas falavam que ali havia as mais venenosas serpentes. A Austrália é a pátria das serpentes. Negras, veludo negro liso. Aquele era um lugar extraordinário: Vajradhara Gompa. As noites punham tantas estrelas que entontecíamos só de vê-las e pensá-las. Oh, Montanhas.

            Sydney. Lembro do hotel Sullivans, Oxford Street 21, em Paddington. A vida noturna da cidade. Pubs, clubs. Visitei a exposição de Sebastião Salgado ali.  Sydney é a capital da fotografia. Há um erotismo no ar. Respira jovialidade e democracia. Eu quase fico lá, de vez. Não há crimes, nem violência, em Sydney. Culturas variadas em harmonia. Fraternidade universal. Em Paddington estávamos em paz. Ouvi a Quarta Sinfonia de Brahms naquela monstruosa Opera House. Infelizmente a Orquestra Sinfônica de Sydney deixa a desejar. Ou aquele maestro. É certo que sou fanático desta sinfonia. Tenho dela diferentes gravações. A melhor, para mim, é a de Bernard Haitink, com a Boston Symphony Orchestra.

                        Vou escrever uma crônica para deixar na gaveta. Quando eu morrer, alguém, a amiga Nappy por exemplo, deve publicá-la. E publicar com o aviso: "Opus Posthumous". Chic.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

O modelo latinoamericano

O modelo latinoamericano

 Emir Sader

O que melhor caracteriza o cenário mundial é a recessão no centro do capitalismo e a capacidade de manter níveis de expansão de suas economias, acompanhadas de distribuição de renda, no Sul do mundo. Claro que o crescimento de tres décadas seguidas da economia chinesa é alavanca essencial desse fenômeno. Mas ele é parte integrante do cenário, que revela a reiteração do modelo neoliberal no centro e modalidades de expansão com extensão dos mercados internos de consumo popular no Sul.

Antes do ciclo de crises atual, uma recessão no centro era devastadora para o sistema no seu conjunto, com efeitos ainda mais agudos na periferia, pela dependência da demanda, dos investimentos e dos créditos. Desta vez nossas sociedades sofrem os efeitos dessa retração, baixam seu ritmo de crescimento, mas não entram em recessão. Já existe uma certa multipolaridade econômica no mundo, de forma que o que sucede no centro não se transfere mecanicamente para a periferia.

A América Latina pode assim exibir ao mundo um outro modelo, que não apenas mantem ritmos de desenvolvimento econômico, mas o faz simultaneamente com a distribuição de renda. Tem portanto não apenas uma superioridade econômica, mas política, social e moral. Como uma de suas consequências, enquanto na Europa todos os governos que se submetem a processos eleitorais - de esquerda ou de direita – são derrotados, porque responsabilizados por politicas recessivas e devastadoras socialmente, os governos que colocam o modelo alternativo em prática na América Latina, tem sido eleitos, reeleitos e tem conseguido eleger seus sucessores.

Enquanto na Europa se produz um processo sistemático de empobrecimento da população, aqui tem diminuído sistematicamente a pobreza e a miséria. Os países europeus, que tinham recebido grande quantidade de trabalhadores imigrantes, veem agora uma parte destes retornar a seus países, enquanto nacionais passam a buscar trabalho em outros países e continentes.

A maior disputa política hoje no mundo se dá entre o modelo neoliberal mantido no centro do capitalismo e o modelo latinoamericano.


Lula em Brasília para pré-estreia de filme O presidente Lula viaja para Brasília nesta quarta-feira (25), para a estreia do filme “Pela Primeira Vez”, de Ricardo Stuckert. A sessão será às 20h, no Museu Nacional do Conjunto Cultural da República. “Pela Primeira Vez” é um documentário em 3D feito no Brasil, e acompanha os últimos momentos do governo Lula e a posse da presidenta Dilma Rousseff. Ricardo Stuckert foi fotógrafo da presidência durante os dois mandatos de Lula.

Lula em Brasília para pré-estreia de filme

O presidente Lula viaja para Brasília nesta quarta-feira (25), para a estreia do filme “Pela Primeira Vez”, de Ricardo Stuckert. A sessão será às 20h, no Museu Nacional do Conjunto Cultural da República.


“Pela Primeira Vez” é um documentário em 3D feito no Brasil, e acompanha os últimos momentos do governo Lula e a posse da presidenta Dilma Rousseff. Ricardo Stuckert foi fotógrafo da presidência durante os dois mandatos de Lula.

O presidente Lula viaja para Brasília nesta quarta-feira (25), para a estreia do filme “Pela Primeira Vez”, de Ricardo Stuckert. A sessão será às 20h, no Museu Nacional do Conjunto Cultural da República.


“Pela Primeira Vez” é um documentário em 3D feito no Brasil, e acompanha os últimos momentos do governo Lula e a posse da presidenta Dilma Rousseff. Ricardo Stuckert foi fotógrafo da presidência durante os dois mandatos de Lula.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Na contramão da 'história oficial', cineasta Sylvio Back revisita o Contestado


Na contramão da 'história oficial', cineasta Sylvio Back revisita o Contestado

Quarenta anos depois, diretor de "A Guerra dos Pelados" voltou ao local do conflito, na divisa do Paraná com Santa Catarina, para filmar documentário. E lamenta que episódio esteja se tornando "invisível"

Publicado em 24/04/2012, 11:18
Última atualização às 12:23

Na contramão da 'história oficial', cineasta Sylvio Back revisita o Contestado
Núcleo de combatentes no conflito do Contestado, sangrenta luta por posse de terras no sul do país: (Foto: ©Claro Jansson/arquivo)
São Paulo – "A Guerra dos Pelados" é um filme-referência na cinematografia brasileira. Lançado em 1971, trata de um sangrento conflito por posse de terras na divisa entre Paraná e Santa Catarina. Durou quatro anos, de 1913 a 1916, mas mesmo assim é um episódio pouco conhecido da história do país.
Quarenta anos depois, o diretor Sylvio Back voltou à região para uma nova filmagem e dessa viagem resultou "Contestado - Restos Mortais". Uma espécie de antidocumentário, define seu autor, que além de estudiosos e gente da terra recorreu a médius para recontar o episódio. O filme deve ser lançado no segundo semestre. Back espera que o Contestado volte a ser visível.

O sr. diz que, apesar de inúmeros estudos, a Guerra do Contestado vem sumindo. Por quê? O interesse histórico é evidente. A quem interessa apagá-lo?
A Guerra do Contestado (1912-1916), às vésperas do seu centenário em outubro próximo, continua uma espécie de "filho enjeitado" da historiografia brasileira. Ainda que se constitua no maior e mais sangrento conflito pela posse e pela usurpação da terra no século 20, a impressão que sempre retorna, seja como catarinense e brasileiro, seja como cineasta que frequenta com sua obra a nossa míope história recente e remota, é que o Contestado vem desmilinguindo, está se tornando cada vez mais invisível. E essa invisibilidade não é apenas nacional, ela é regional, cobre feito uma enferrujada mortalha praticamente todo o Centro-Oeste de Santa Catarina.
Ali, durante meses, pesquisei, entrevistei herdeiros da memória bélica, recolhi preciosa e inédita iconografia, além de revisitar os principais sítios do teatro de operações, um território do tamanho do Estado de Alagoas. Inúmeras vezes fui surpreendido pelo total desconhecimento da população sobre sua própria biografia e o passado pisado pelos seus maiores.
Triste constatação, sim. Há uma confluência de opiniões de especialistas que creditam todo esse borramento histórico e mediático do Contestado a um separatismo que começou a tomar corpo entre os líderes dos fanáticos, uns inspirados no ideário autonomista da República Piratini (1835-1845), outros, na Revolução Federalista (1893-1895), a ponto de "inventarem", literalmente, porque não saiu das conjeturas e de um polêmico édito fundador, uma Monarquia Sul-brasileira, com imperador coroado e até uma Constituição que previa liberdade de imprensa.
Claro, a petulância provocou a ira a repressão implacável da neo-República, ainda traumatizada com o banho de sangue ocorrido em Canudos (1896-1897). Assim, a palavra de ordem do general Setembrino de Carvalho, comandante em chefe que liquidou com o Contestado, repicava a evocação fúnebre do Senado romano (150 a.C.): Delenda est Carthago!  (Carthago deve ser destruída), referindo-se à potência fenícia do norte da África (atual Tunísia) disputando a hegemonia do Mediterrâneo com Roma.
Não nos esqueçamos que coube à matreirice geopolítica-religiosa e à expertise armada de Portugal manter este país-continente unido desde 1500, liquidando, de norte ao sul, toda e qualquer tentativa separatista. O Contestado era uma ameaça, uma "nação cabocla independente", e isso, a meu ver, ainda que impensável hoje em dia, regurgita nos porões do inconsciente coletivo nacional. Não nos esqueçamos do movimento "o Sul é o meu país", que volta e meia ressuscita na ânsia de emplacar sua "verdade" racista e segregacionista! 
Voltar ao tema 40 anos depois foi como ver "um cadáver perdido no mar". É possível comparar a perturbação causada nesse contato e no primeiro, em 1970? O sr. diz que o filme de 1971 e o que será lançado no segundo semestre parecem ter sido feitos por cineastas opostos.

Talvez eu seja, com este "O Contestado - Restos Mortais", o primeiro cineasta brasileiro a fazer um novo filme sobre o mesmo tema, com pegada paradocumental, que intitulo de antidoc, e não ficção pura como "A Guerra dos Pelados", para desfazer equívocos pessoais de um ideário datado e, na outra ponta do pensamento, alumiando novos meandros históricos sobre e em torno da Guerra do Contestado.
Tanto que acabei me confrontando com as próprias convicções e certezas de outrora, como consegui formatar um discurso cinemático único e inimitável, o transe mediúnico como fio narrador do filme. E, onde através dele, busco o âmago de uma saga esquecida que o Brasil precisa homenagear com as devidas exéquias morais.
Isso só foi possível sobrevoando e dando vôos rasantes não apenas, literalmente de helicóptero, aos principais redutos da resistência cabocla e da repressão militar (Taquaruçu, Caraguatá, Calmon, São João dos Pobres (hoje, Mattos Costa), Perdizinhas, Santa Maria etc.), mas tateando no imaginário que resta vivo e pulsante entre os sobreviventes da tragédia, para atualizar e identificar sombras diluídas e provectos balbúcios, reações esquivas, lembranças cheias de odio e vingança, um imemorial, baço e evanescente. Mesmo assim, quase sempre inapreensível aos olhos e ouvidos perscrustantes do próprio cinema.
Quando retomei o Contestado, com o  propósito de me debruçar documental e míticamente sobre ele, assoberbado pela releitura de uma centena de livros, tudo veio à tona como um cadáver perdido no mar. Algo estranho e recorrente que já vinha me acompanhando há décadas. De qualquer modo, o que permanece é de uma rara nitidez, cuja comprovação se imbrica em forma de fotogramas ora documentais, ora ficcionais: "A Guerra dos Pelados" (escrito e rodado entre 1969/1970, estreando no ano seguinte) e este antidoc, "O Contestado - Restos Mortais", ambos mudamos a ponto de não nos reconhecermos mais!
Essa é a descoberta mais fascinante de uma narrativa moral que mexe com a história sem procurar atropelá-la, nem lhe impor viseiras político-ideológicas e, muito menos, fundar uma verdade unívoca e irretorquível sobre essa verdadeira guerra civil nos sertões catarinenses.

De maneira geral, as pessoas parecem desconhecer detalhes da história do Brasil. Isso acontece pela forma como a História nos foi ensinada?
Num país refém de uma reiterada "história oficial", todos cabemos nela, especialmente, quando nos colocamos na contramão de suas "verdades" pétreas. Como é o caso explícito deste docudrama (misto de documentário e ficção), "O Contestado - Restos Mortais". Há de tudo e mais alguma coisa para ser exorcizada no Contestado, já que, desde a educação de base à nossa academia e seus acólitos fora e dentro dela, via de regra, serva voluntária de vezos ideológicos, dedica-se a "formatar" uma outra verdade, que fica tão chamuscada de mitos, tabus e utopias quanto a história "chapa branca" que se quer desnudar.
Nosso pretérito, aquele ensinado à rapaziada nas escolas e universidades, ainda hoje, e isso soa inacreditável, é mais um discurso vetusto, digamos, de corte "estatal", papagaiado na sala de aula do que restaurada em toda a sua dimensão e extensão éticas e ontológicas. Quando não, vemos todos os fatos e personagens controvertidos transformados em sagas, heróis e/ou santos, uma alegre e impune, porém, indigesta, miscelânea mítico-hagiográfica, onde se mantém estrategicamente ao largo eventos tão fundamentais para explicar os contornos anímicos do Brasil, como a Guerra do Contestado, sem coincidência alguma!
Ainda recentemente, nos debates após a exibição de "O Contestado - Restos Mortais" no Festival de Gramado, grande parte do público, jornalistas, críticos, se declarou surpresa com a efervescência e a brutalidade institucional, política, sociológica e bélica dos acontecimentos que se sucedem na tela, reconhecendo que jamais tinham ouvido falar no Contestado! O susto maior, inclusive, acabou reservado para a amperagem terrorista que presidiu os embates armados entre rebeldes, tropas do Exército, milícias de jagunços do coronelato da região e a polícias militares de Santa Catarina e do Paraná, algo nunca visto no Brasil nem antes nem depois.

O filme parece propor novas luzes sobre o conflito. De que forma isso se realiza na tela?
Ainda na fase das pesquisas, falando com o historiador Euclides Philippi, em Curitibanos (SC, um dos epicentros históricos do Contestado), expus que pretendia investir em médiuns para "ouvir" a história oculta, subterrânea, não-presencial de caboclos e soldados envolvidos na Guerra do Contestado, ele próprio espírita, lascou à queima roupa e em tom solene: "O senhor é espírita?" Mesmo pego de surpresa, consegui responder na lata: "Sou cineasta!"
Com seus 90 anos, abriu um lindo sorriso que, aliás, pode ser visto no filme em várias cenas, contando suas incursões à galáxia da mediunidade imperante entre as "meninas-virgens" que lideravam os fanáticos do Contestado. O transe, como uma insondável camada do inconsciente coletivo e da história do homem, por isso mesmo matéria prima de altas indagações no campo da física quântica (a matéria pereceria, mas a consciência jamais!), para mim, é a mais pura e límpida poesia. Não sou espírita, nem cientista, sou poeta. cineasta.
Nada no transe é real ali, tudo imaginação e imaginário, um salto no escuro na eteridade de fatos e feitos primevos, eu diria, como se prestidigitação fora rumo ao mais denso dos mistérios da alma humana! Em “O Contestado - Restos Mortais” a aposta é nessa direção, imiscuir-se, resgatando através da palavra, pela sua verbalização cifrada e entrecortada pela fluidez do tempo e do espaço, no que foi esquecido e no que é preciso lembrar.
Carrego a primazia, nessa hora em que tanto espiritismo militante explode nas telas, de ter sido o primeiro cineasta brasileiro (quiçá, do mundo, ora direis!) de haver incorporado o transe mediúnico à linguagem cinematográfica como recurso da narrativa de um filme. Cinema é linguagem, sabemos.
Um mergulho primevo no transe ocorreu há exatamente 28 anos no documentário "O Auto-Retrato de Bakun" (1984), quando pincei de um passado aparentemente "apagado", se a expressão couber, capturando pela manifestação mediúnica do pintor paranaense que se suicidou em 1963, toda a drama existencial dos seus últimos dias entre nós. Pensei que, pelo inaudito do procedimento, fruto de minha percepção de que, sendo Bakun um místico, portanto, um homem afeito a incursões ao universo espírita, jamais retornaria a esse procedimento num filme.

Que pensa da tentativa de alguns de comparar Contestado a Canudos?
Não raro, a Guerra do Contestado é confundida com Canudos. Há mesmo quem se refira a ela como o "Canudos do Sul", justamente, quando eclodiu à época, em 1912, a revolta baiana ainda fumegava, havia forte eco na mídia, e suas feridas e cicatrizes estavam sendo, lentamente, absorvidas pela nova República.
Canudos resistiu a oito meses de assédio (entre 1896 e 1897), no Contestado foram precisos quatro anos para destruir seus mais de trinta redutos (cidadelas caboclas, que chegaram a reunir 20 mil pessoas, espalhadas ao longo do rio do Peixe, Centro-Oeste de Santa Catarina, entre o sul do Paraná e o norte do Rio Grande do Sul), e onde até o avião estreou no Brasil como arma de guerra.
Sim, é possível encontrar similitudes entre os dois movimentos. O mais significativo seria o milenarismo (a volta de um Messias salvador) que fundeava as convicções dos fanáticos, na Bahia, de Antonio Conselheiro, no Contestado, entre os monges João e José Maria. E, claro, a inaudita violência e implacabiblidade com que o Exército brasileiro arrasou e exterminou ambos.
Fora disso, o Contestado era um caldeirão político-ideológico e religioso que contemplava desde a luta pela terra e pelo poder, de uma xenofobia ativa contra imigrantes europeus, ao antiimperialismo contra multinacionais da região, que ali construíram gigantesca estrada de ferro (do magnata Percival Farqhuar) e a maior serraria da América Latina, implantando um regime de terror na expulsão dos caboclos sem título de propriedade; de um separatismo, romântico, porém, astuto e, ironicamente, o Contestado chegava à contemporaneidade protagonizando o que seria o próprio nascimento do capitalismo no Brasil.
Tivemos no Contestado uma luta da "desordem" (revoltosos) contra a "desordem institucional"?
Por um instinto de sobrevivência da caboclada espoliada, ao primeiro chamamento para se reunirem em torno de mitos, não demorou a surgirem na região magotes ensandecidos, desafiando a "desordem" institucional existente! Esse choque de "desordem" contra "desordem" frutificou uma inédita sangria de milhares de homens, mulheres e crianças, cujas "almas sofridas e perdidas" vieram pedir socorro ao nosso filme!
Com tudo isso em ebulição, dá para fabular que, para que houvesse um estopim, bastava que a fronteira contestada entre Santa Catarina e Paraná, úbere em erva mate e madeira, fosse rompida por alguém. E em 1912, um monge de nome José Maria, vendendo terras devolutas do Paraná (Irani) para duas dezenas de caboclos catarinenses, instalou-se em cima do fio da navalha.
Nem será preciso contabilizar quantos soldados e fanáticos ficaram sem sepultura após uma horrenda refrega que conflagrou não só Curitiba e Florianópolis, mas o próprio presidente, marechal Hermes da Fonseca, e, logicamente, o Exército, que logo enxergou ali um novo Canudos. Tanto é que a repressão militar não tardou a se mobilizar e se fazer sentir com metralhadoras e canhões.
Na mesma intensidade que dentro das incontáveis de cidadelas, os sertanejos, antes simples crentes e pacíficos, para não morrer de fome passaram a praticar apropriações de alimentos e animália, que diziam "débitas", de comerciantes e fazendeiros da região. Ao mesmo tempo, constrangidos por chefetes fanatizados, como o famoso "comandante" Adeodato (que, entre o exército teve o seu equivalente no capitão Potiguar, uma versão sulina do famoso coronel Moreira César, de Canudos), instalou-se um regime de terror inédito no Brasil.
Um terrorismo, por sua vez, igualmente agenciado pelos chamados "vaqueanos", asseclas do coronelato e tropa assalariada pelo Exército, que não só ameaçava os seguidores que fraquejassem, como espalhou um espectro fantasmagórico sobre seu poder de persuasão e violência que pulsa ameaçador até hoje, com os contornos tão assustadores e inimagináveis que tivessem ocorrido entre nós.