segunda-feira, 31 de maio de 2010

GUATEMALA

GUATEMALA

CRATERA NA GUATEMALA

OLHAR


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

FREIRA


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

OLHAR


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

LEÃO DA MONTANHA NO QUINTAL


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

NA ÁGUA


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

ARQUEIRO


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

CORPO EM MOVIMENTO


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

FOGO NA CALIFÓRNIA


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

COMPANHIA


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

MERGULHO


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

REDE


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

PAINEL


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

CALIFÓRNIA


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

PRAIA


http://www.santacruzlive.com/blogs/photo/

O Ódio de Classe





O Ódio de Classe

Não é segredo para ninguém que a política brasileira migra para a bipolaridade. De um lado o PSDB e do outro o PT como centros orbitais de uma série de corpos menores, na galáxia do PMDB. Mas o embate político brasileiro possui elementos da neurose de classe. O primeiro deles é o ódio de classe, que está ligado à destruição da tradição criminosa e partidária brasileira, que se expunha como representação conservadora. A redução de partidos assemelhados a quadrilhas à condição de pequenos partidos se deveu ao desmonte dos currais eleitorais promovido pelo programa Bolsa Família. O artigo é de César Kiraly.

César Kiraly


Há tempos que os franceses falam em uma neurose de classe. Aparentemente ela se manifesta sob as condições sociais de mudança ascendente de classe, na qual o sujeito sofre, justamente, porque não se sente parte do universo ao qual passa a pertencer. Nesses contextos o que existe é uma personalidade que por questões de mérito e austeridade deixa de pertencer a sua antiga classe social, que passa a não mais vê-lo como um igual, e passa a ser incorporado por uma outra à qual ele não se sente pertencente. Esta neurose pouco comum – porque é muita mais fácil que as pessoas desçam de classe do que subam de classe, se podemos dizer assim, além do que, as mobilidades de classe costumam se dar em blocos populacionais, então, toda uma população muda em conjunto o seu modo de vida e seus vínculos de afetos – é percebida em circunstâncias sociais que permitem ascendência meritória pela educação. O fenômeno, pois bem, não nos interessa muito, pelo menos não no que concerne a um dos grandes problemas brasileiros, a pobreza, mas nos permite ver uma das faces escondidas da resistência aos pobres. Porque a neurose de classe se manifesta como sofrimento, mas como em toda neurose existem repressões, que, no caso, se mostram como ódio de classe.

Não é segredo para ninguém que a política brasileira migra para a bipolaridade. De um lado o PSDB e do outro o PT como centros orbitais de uma série de corpos menores, na galáxia do PMDB . Assim, aquele partido que consegue encantar as migrações cósmicas da galáxia acaba por arregimentar possibilidade de governo. Mas o embate político brasileiro também possui um elemento de resquícios sociais. O primeiro elemento que incrementa este efeito colateral da neurose de classe, que é o ódio de classe, é a destruição da tradição criminosa e partidária brasileira, que se expunha como representação conservadora. A redução de partidos assemelhados a quadrilhas à condição de pequenos partidos se deveu ao desmonte dos currais eleitorais promovido pelo programa Bolsa Família.

Não é demais compreender que frente à falta de garantia do mínino de subsistência, comina na mesa, de ninguém possa ser cobrada a postura de fazer o certo, não se pode contar, em política, com ações heróicas, e, de um modo geral, nem é desejável que as pessoas se comportem como heróis da classe, mas o programa bolsa família abriu espaço para a existência de virtudes públicas. Frente à tentativa de cooptação por partidos-quadrilha o homem comum pode dizer não ao benefício maior que obteria preferindo fazer o que considera certo para o seu futuro e o de seus filhos. A idéia de mínino de subsistência permite ao homem comum pensar de modo moral e levar, ainda que de modo simples, a sua inflexão diante do certo para a vida pública. O modo mais imediato de fazê-lo é pelo voto livre.

Esta liberdade do homem simples aguça o sentimento do ódio de classe. De alguma forma este correlato da neurose de classe que é o ódio de classe, possui uma irritação profunda com o fato de que existem homens que ainda que escravizados por relação de emprego ruins, ou por falta de estrutura social ou educacional possam, nas matérias mais importantes, dizer o que julgam melhor. Se não há mais um partido político capaz de recurralizar, de modo imediato, as relações sociais no Brasil, a esperança, dos que sentem ódio, está ligada à campanha de oposição ao governo.

Não há que se lembrar que a pessoa do presidente é vítima de uma série de comentários e chacotas típicas do ódio de classe. A idéia de que um homem pode mudar o seu destino pelo princípio do melhor e que atrela a sua existência ao “viver por alguma coisa” é insuportável para aqueles que precisam acreditar que a existência não tem qualquer sentido e que “viver é viver por e para si”. A autonomia do homem simples é o motor do ódio de classe. Cabe ao homem simples resistir. Por agora, resistir pelo voto.

Cesar Kiraly é doutor em ciência política pelo IUPERJ, no qual coordena o Laboratório de Estudos Hum(e)anos.

BARBÁRIE


Ataque israelense à "Frota Liberdade", que transportava cerca de 10 toneladas de ajuda humanitária para Gaza, deixou pelo menos 15 mortos e 50 feridos. O ataque ocorreu em plenas águas internacionais. União Européia quer inquérito sobre ataque e palestinos pedem reunião urgente na ONU. "Quinze pessoas foram mortas durante o ataque, na sua maioria cidadãos turcos", afirmou Mohammed Kaya, responsável pela divisão de Gaza da IHH, uma organização turca de defesa dos direitos do Homem, que fazia parte da operação naval. Site da missão divulga imagens do ataque israelense

Esquerda.Net

FERREIRA GULLAR, PRÊMIO CAMÕES 2010, HÁ POUCO ANUNCIADO






"Falemos alto. Os peixes ignoram as estações e nadam.
Nós, caminhamos entre árvores. Quando é verão, os druidas,
curvados, recolhem as ervas novas.
Falemos alto,
os milagres são poucos.
As águas reflectem os cabelos, as blusas dos viajantes.
Os risos, claros, detrás do ar. Os pássaros voam em silêncio ..."

Virginia Woolf


Sem nunca ser, mas sempre na orla do Ser
A minha cabeça, como a máscara de Morte, é transportada no Sol
A sombra apontando o dedo à minha face
Movo os lábios para saborear, mexo as mãos para tocar
Mas nunca vou mais além do tocar,
Ainda que o espírito se incline para ver.
Diante da rosa, o ouro, os olhos, uma paisagem admirada,
Os meus sentidos registam o acto de desejar,
Desejar ser rosa, ouro, paisagem ou um outro -
reclamando a plenitude no acto de amar.

Virginia Woolf

MARIA BONOMI



Artista independente, Maria Bonomi avalia tendências e avalia panorama do cenário artístico nacional

Talvez as raízes italianas expliquem a energia fugaz de Maria Bonomi. Ou quiçá a “verdade pessoal, artística e amorosa” que ela mesma define como a razão da sua saúde. Chamada carinhosamente pelos amigos de “tsunami”, passeia por assuntos leves – como ficou amiga de Clarice Lispector, por exemplo – a críticas ao cenário da arte brasileira: “Temos que fomentar a produção de qualidade e não só o comércio”.

Recém-chegada de viagem, a artista plástica surpreendeu a coluna em seu ateliê com uma entusiasmada proposta: a ocupação dos espaços de shoppings centers com obras artísticas. “Seria oportuno e benéfico que esses espaços tivessem intersecção com a arte. Esse público não deveria ser tratado como vazio”, explica.

Conhecida como a “dama da gravura”, Bonomi demonstra, pouco a pouco, os porquês dos títulos que acumula: querida pelos amigos, artista acessível, mulher independente e militante humanista. “Ligo para os colecionadores e peço para rever minhas obras. Acredito na presença do olho a olho, em amizade de ateliê”, conta. A seguir, trechos da entrevista.

O Brasil vem crescendo no mercado artístico. Há uma explosão de novos artistas, feiras, galerias. Como a senhora avalia esse movimento? Acredito naquilo que tem substância. Mas não no exercício das palavras difíceis, gente que se baseia em livros da editora Taschen, sabe? Acho que no Brasil há uma defasagem da percepção e um grande perigo de frivolidade da arte. Essa meninada faz aeróbica artística, não reflexão.

O que é exatamente essa defasagem da percepção? Faltam propostas culturais. O importante não é incentivar o comércio, mas fomentar uma produção de qualidade. Aqui pouco se discute sobre as novas tendências dos artistas, os diferentes suportes. Só se fala de dinheiro e eu sou contra isso.

É possível melhorar a sensibilidade artística do brasileiro? Sim. Acho que o ensino de artes plásticas tem que ser oficializado nas escolas. Deveria ser ensinado desde o primário e atualizado constantemente. Isso propiciaria um olhar de maior qualidade, isto é, um refinamento na percepção artística.

A sra. tem uma proposta de arte pública em shoppings? Sim. Sinto algo muito frágil e perigoso em relação a esses “santuários do nada”. Os shoppings são construções megalômanas, onde só se fala de produtos comerciais, sem considerar que poderiam ser implantadas obras de arte nestes locais.

Por que acredita que poderiam ser espaços para essas obras? Acho que esse público não deveria ser tratado como vazio. A classe endinheirada não enxerga quanto seria oportuno e benéfico que esses espaços tivessem intersecção com a arte.

A senhora foi uma das fundadoras da Bienal. Como vê a instituição atualmente? A Bienal deve ter representação dos artistas e dos críticos de arte em um conselho normativo indicado pelas entidades, sindicatos e listas tríplices. A Bienal se divorciou dessa proposta e assim não acredito que ela seja realmente representativa.

O seu ateliê é aberto para receber visitantes, colecionadores. Como vê essa relação? Quem gosta de arte tem curiosidade de conhecer o artista, o espaço onde ele trabalha. Sempre senti nos painéis que eu fiz, ao longo desses anos, a presença do olho no olho. Isso, para mim, representa a volta de um certo tipo de humanismo. Eu sei para quem eu vendo e os colecionadores sabem de quem estão comprando.

E nas suas obras públicas, também há essa troca? Sem dúvida. Contemporâneo para mim é isso. Tenho um painel na Avenida Paulista dos anos 70 que foi restaurado. Eu e a Prefeitura de comum acordo decidimos pintar uma parte de verde. Mas as pessoas começaram a me ligar denunciando: “Dona Maria, eu moro aqui em frente há quarenta anos e estão pintando seu mural. Isso é um absurdo” (risos). Eu achei incrível essa interação. A arte pública melhora a qualidade de vida dos cidadãos.

Você afirmou que o status se dá por meio da arte. Por quê? Tivemos colecionadores que não deixaram empresas ou negócios como legado. E, sim, coleções de artistas que eles acompanharam. A Fundação Iberê Camargo, por exemplo, começou por causa da amizade que Jorge Gerdau cultivou com o próprio Iberê no ateliê.

É difícil se desfazer das obras? Você nunca se desliga de uma obra. São como filhos. Tenho apego a algumas, mas sempre cedo e vendo. Ontem mesmo um colecionador comprou uma obra que eu não queria vender. Não podemos manter tudo.

E o que acha do grafite? Acho bárbaro. É uma resposta decorativa à feiura da cidade, aos tapumes e paredes não pensadas. Sou contra a pichação e a favor do grafite. É uma manifestação de arte pública.

Nesse contexto, como fica a Lei Cidade Limpa? Não tem nada a ver. Os políticos não se preocupam com a cultura. A arte deve ser uma proposta política. Afinal, o governo passa e a obra fica. Temos exemplos, como a Estação da Luz, o Museu da Língua Portuguesa e a Osesp. É uma responsabilidade social que obras como essas sejam realizadas.

Por Marilia Neustein

Sobre o Bolsa família ou como podemos reescrever nossa história


Sobre o Bolsa família ou como podemos reescrever nossa história


Por Patrus Ananias



Este texto é o Prefácio ao livro Bolsa Família: Avanços, limites, possibilidades do programa que está transformando a vida de milhões de famílias no Brasil, de Marco Aurélio Weissheimer, publicado pela Editora Fundação Perseu Abramo em maio/2010.



Deixa-me imensamente feliz escrever este prefácio. O primeiro volume desta publicação foi e tem sido, uma referência para as pessoas que discutem, vivem e querem, cada vez mais, consolidar uma grande rede de proteção e promoção social no Brasil, por meio de políticas públicas direcionadas para os mais pobres em uma perspectiva emancipatória.

O presente livro, Bolsa Família: Avanços, limites, possibilidades do programa que está transformando a vida de milhões de famílias no Brasil, é uma reflexão séria e consistente sobre o programa que atinge, hoje, mais de 12 milhões de famílias pobres em todos os municípios do Brasil. O impacto mais imediato do Programa Bolsa Família sobre os cidadãos brasileiros beneficiados é possibilitar a conquista do primeiro degrau dos direitos fundamentais: o direito à alimentação adequada ou, em palavras mais firmes e brasileiras, o direito à comida. Sem ele, não há como construir o direito à vida, à dignidade humana, o acesso aos direitos e deveres da nacionalidade e da cidadania.

O direito à comida significa ter certeza de que poderá se alimentar bem todos os dias. Significa saber que pode comer hoje e que, nos dias seguintes, também vai ter condições de ter acesso a um alimento bom, de qualidade, em quantidade suficiente para uma sobrevivência digna e com saúde. No antológico Morte e vida severina, de João Cabral de Melo Neto, Severino, o retirante, já no auge da desesperança, pergunta: “Seu José, mestre carpina,/ e que interesse, me diga,/ há nessa vida a retalho/ que é cada dia adquirida?”. Combater a incerteza dessa “vida a retalho” é o mesmo que defender a vida, é criar condições para que ela surja e se desenvolva em sua plenitude. Sem a garantia do básico do dia a dia é fácil perder a esperança e o sentido de batalhar cada dia, pelo direito de viver e crescer.

A sabedoria popular nos ensina que “de barriga vazia ninguém pensa”. Acredito que essa situação é ainda mais grave e que de barriga vazia ninguém vive; nem uma nação. Não consigo conceber um país com justiça e igualdade sem que absolutamente todos tenham acesso a pelo menos, três refeições diárias. Mas, além de combater a fome de comida, assegurando o direito à alimentação na perspectiva mais ampla da segurança alimentar e nutricional, o Bolsa Família também auxilia a conter a fome de direitos.

O Bolsa Família não é um programa isolado, pois está inserido em um contexto mais amplo de ações, programas e políticas que formam uma rede nacional de proteção e promoção social. Ele está ancorado nas políticas públicas e de Assistência Social, que incluem, por exemplo, iniciativas como o Programa de Atenção Integral às Famílias (PAIF), materializado nos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS). Nesses centros, psicólogos, assistentes sociais, educadores, entre outros profissionais, atuam com foco nas comunidades mais pobres e vulneráveis, exatamente onde se encontram os beneficiários do Bolsa Família. Hoje os CRAS somam 3.821 unidades cofinanciadas pelo governo federal em todo o Brasil.

Esses equipamentos, além de acolherem as famílias pobres, são também espaços emancipatórios que desenvolvem cursos de capacitação profissional, alfabetização de jovens e adultos, programas de inclusão produtiva, geração de trabalho, emprego e renda. Eles interagem diretamente com o Bolsa Família porque são a referência das famílias pobres beneficiárias dos programas. O Programa Nacional de Inclusão de Jovens – Modalidade Adolescente (ProJovem Adolescente) é decorrência dessa mudança. Esses jovens, de 15 a 17 anos, são acompanhados no contraturno da jornada escolar por meio de programas socioeducativos, atividades esportivas, culturais, reforço escolar, leitura, atividades ambientais e comunitárias.

O Bolsa Família interage também com o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Sisan), que vem se consolidando a partir da promulgação, em 2006, da Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional (Losan). Temos programas de apoio à agricultura familiar, como o Programa da Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA), vinculado ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF). Este último é coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário. Outra relação importante é a do Bolsa Família com serviços de equipamentos que favorecem o acesso a alimentos pelas famílias pobres, como os restaurantes populares, as cozinhas comunitárias, os bancos de alimentos, as feiras que possibilitam a relação direta produtor consumidor, os programas de apoio à agricultura urbana e periurbana, hortas e lavouras comunitárias.

Além disso, temos dado ênfase especial às políticas de capacitação profissional, como o Próximo Passo, que prevê a inclusão dos adultos das famílias beneficiárias do Bolsa Família nas oportunidades geradas pelos investimentos em infraestrutura do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC). Contamos ainda com a qualificação profissional por meio do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e do Ministério do Trabalho e Emprego, sob coordenação da Casa Civil. Nesse programa desenvolvemos, por exemplo, o PlanSeQ Turismo para promover a qualificação profissional e a inclusão de adultos das famílias beneficiárias nas oportunidades geradas pela elevação da demanda de trabalhadores decorrente da expansão do segmento e da realização de grandes eventos no país, como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016. As parcerias são importantes, como a que firmamos no MDS com a construtora Norberto Odebrecht para capacitar beneficiários do Bolsa Família em Rondônia. Somem-se a essas ações o Programa de Mobilização da Indústria de Petróleo e Gás Natural (PROMINP) e os de microcrédito, entre outros.

Em nosso trabalho, um aspecto muito importante tem se destacado e nos levado a reflexões que tem nos ajudado a aperfeiçoar nossas políticas. Trata-se da constatação de que as políticas sociais não se excluem, elas são complementares. Uma criança ou um jovem na escola não aprende sem ter saúde. Da mesma forma, não terá saúde se não tiver assegurado, junto com sua família, o direito fundamental à alimentação, à água potável, ao saneamento básico, à moradia. Uma criança ou um jovem não terá saúde psíquica e emocional, fundamental também para o processo de aprendizado, se não tiver uma família – direito vinculado ao direito à alimentação, à assistência social – que a acolha e uma comunidade que lhe dê referência, possibilitando o seu desenvolvimento pleno. Se esses laços familiares e comunitários foram corroídos, fragilizados ou mesmo quebrados, é fundamental que sejam restaurados. No limite, cabe ao Estado, com a participação da sociedade, acolher as crianças e jovens em espaços adequados que permitam o desenvolvimento pleno dos seus talentos.

O livro de Marco Aurélio Weissheimer apresenta um quadro social ainda dramático do Brasil que expressa as grandes desigualdades sociais que estamos revertendo hoje no País. É sempre bom relembrar, “guardar de cor”, como diziam os versos de Chico Buarque de Holanda, que o Brasil tem uma história social extremamente injusta.

O Brasil, em seu alvorecer, foi dividido em quinze grandes áreas, chamadas de capitanias hereditárias, que abrangiam todo o litoral e o interior conhecido do país e foram entregues a doze donatários, que gozavam de benefícios privados e direitos públicos. Esses homens privilegiados tinham poder de morte sobre toda população de sua terra, principalmente sobre os pobres, chamados pela legislação da época de peões, negros, escravos e índios. E, contra as pessoas mais “gratas”, os menos pobres, eles podiam decretar pena de degredo [exílio] de até dez anos.

As capitanias hereditárias, ao contrário do que dizem alguns historiadores, marcaram profundamente a formação do Brasil, inclusive na perspectiva dessa relação contaminada entre o público e o privado. No desdobramento das capitanias, vieram as sesmarias, extensões enormes de terras que não eram aproveitadas, as monoculturas, os grandes latifúndios improdutivos que levaram Francisco Adolfo Varnhagen – um historiador conservador, mas arguto observador da realidade brasileira – a dizer, no século XIX, que veio daí a mania do brasileiro de ter tanta terra. Afirmava, em seu primeiro volume da História geral do Brasil:

“a mania de muita terra (que) acompanhou sempre pelo tempo adiante os sesmeiros, e acompanha ainda os nossos fazendeiros, que se regalam em ter matos e campos em tal extensão que levam dias a percorrer-se, bem que às vezes só a décima parte esteja aproveitada, mas se tivesse havido alguma resistência em dar o mais, não faltaria quem se apresentando a buscar o menos”.

Como desdobramento das sesmarias e das grandes propriedades improdutivas, tivemos o coronelismo como uma espécie de poder quase estatal dentro do próprio Estado. Em algumas regiões os coronéis se impunham ao Estado e criavam uma relação com o poder público que dispensava quaisquer organizações sociais.

Mantivemos a escravidão até o apagar das luzes do século XIX. Até as vésperas do 13 de maio de 1888, ainda se discutia se os donos de escravos seriam ou não indenizados pela perda de sua propriedade. Não conseguiram ser indenizados, mas conseguiram impedir aquilo que Joaquim Nabuco sonhava, que era incluir, na vida nacional, inclusive com a democratização da terra, os nossos antepassados escravos. Não foram acolhidos, não foram construídos direitos que os acolhessem na vida nacional e no exercício da cidadania. Foram, literalmente, despejados nos mocambos, nas ruas, nos morros, nas favelas de nossa nação.

A questão social só se coloca, efetivamente, no Brasil, a partir da Revolução de 1930, ainda que sob os limites impostos da época, pela questão do autoritarismo, do Estado Novo, do corporativismo. De qualquer forma, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) em 1943 representa um avanço notável do ponto de vista dos direitos trabalhistas. No entanto, ficou praticamente restrita aos trabalhadores urbanos; os rurais não tiveram direitos reconhecidos.

Lembro-me bem, durante a minha infância e adolescência no interior de Minas Gerais, da situação dos trabalhadores do campo que, como os imigrantes europeus no início do século XX, tinham de se submeter às condições impostas pelo empregador. Diferentemente de seus companheiros das cidades, eles viviam uma situação que ecoava o período da escravidão: não tinham férias, salário mínimo, repouso semanal remunerado, previdência social, tampouco regulamentação da jornada de trabalho. Os direitos sociais trabalhistas, sindicais e previdenciários começam a chegar ao campo timidamente em meados dos anos 1960 do século XX, com o Estatuto do Trabalhador Rural e, posteriormente, no período mais dramático da ditadura o Funrural, uma lei que garantia aos trabalhadores rurais, inicialmente, a metade do salário mínimo. Mais tarde, tornou-se o Prorural.

A dívida social do nosso país é muito alta e estamos empenhados em revertê-la. Claro que, para isso, deveremos fazer ainda uma longa caminhada, possivelmente de algumas décadas, para consolidarmos, aperfeiçoarmos, integrarmos, ampliarmos as ações e as políticas sociais na perspectiva de construirmos uma sociedade de direito, mas também de fato, que assegure, efetivamente, na vida real, a todas as pessoas, um patamar comum de direitos e oportunidades.

Nesse sentido, o Programa Bolsa Família, que Marco Aurélio estuda e debate tão bem, cumpre um papel civilizatório e é estratégico no processo de resgate dessa dívida. Ao se debruçar sobre o programa, o autor faz análises abertas sem cair no criticismo impiedoso daqueles que não acolhem nenhuma política de inclusão social. Mas não se furta a apontar questionamentos e reparos muito razoáveis que nos ajudam a pensar e a buscar os melhores caminhos. Este livro contribui para o aperfeiçoamento do programa, que vai se tornando uma referência histórica, comparando todo o conjunto das nossas políticas sociais e medindo os impactos na vida dos brasileiros, sobretudo dos mais pobres.

É crescente o reconhecimento internacional do papel das políticas sociais, em especial do Bolsa Família, na organização das políticas públicas e seu impacto na promoção do desenvolvimento sustentável. Um exemplo desse movimento é a interlocução que estamos mantendo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a partir de uma reflexão em torno da complementaridade das políticas sociais e políticas trabalhistas. É muito forte, por exemplo, os efeitos das nossas políticas na redução da desigualdade social, no combate à pobreza. Entre 2003 e 2007, segundo estimativas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 16,5 milhões de pessoas conseguiram ultrapassar a linha da pobreza no Brasil. Conseguimos cumprir, ainda em 2005, a meta de redução de pobreza fixada nos Objetivos do Milênio pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Mas sabemos que ainda temos um caminho longo pela frente porque partimos de uma dívida social histórica que deixou marcas profundas em nossa sociedade. Essa situação é agravada pelo fato de o Brasil não ter feito no passado as políticas necessárias, o que nos impõe uma série de desafios para conseguirmos alcançar o ideal de igualdade social. Quebramos o pacto da “conspiração do silêncio” que havia no país em relação ao problema da fome, para utilizar uma expressão de Josué de Castro. Mas temos de avançar nessas conquistas, a começar pelo desafio de intensificar e aperfeiçoar os mecanismos de intersetorialidade das políticas, explorar ainda mais o potencial integrador do Bolsa Família e de todas as outras políticas, o que pode ser feito com a ampliação de espaços de interlocução interministeriais, integrando várias áreas do governo.

O fortalecimento do Bolsa Família, nessa perspectiva intersetorial, é um dos caminhos para que possamos consolidar a nossa rede de proteção e promoção social rumo ao objetivo de promover as bases de um Estado de bem-estar social. O propósito é firmar uma sociedade em que as oportunidades sejam iguais para todos. Esta publicação contribui para esse trabalho, apontando os progressos e indicando os pontos que ainda precisam ser mudados para que possamos acompanhar e atender melhor a evolução das demandas de todos os cidadãos brasileiros.

Os Fukuyamas tucanos


Os Fukuyamas tucanos


Emir Sader


“O governo Lula, que tomou posse em 2003, acabou antes da hora”.

“O governo Lula acabou.”

As duas afirmações foram feitos no delírio que tomou conta de grande parte da imprensa tucana em 2005, o que levou a muitos espasmos de ejaculação precoce. A primeira, de um livro de uma empregada da empresa familiar dos Marinhos, a nunca suficientemente sóbria Lucia Hippolito.
Publicada no auge do que acreditavam seria a crise terminal do governo Lula, no livro “Por dentro do governo Lula”, sugerindo que a perspicaz personagem tinha captado as entranhas do governo, pela sua suposta formação de historiadora. O subtítulo reitera esse olhar privilegiado – “Anotações num Diário de Bordo”, o que pode explicar a pouca sobriedade, provocada pelo vai e vem da viagem.

A segunda afirmação foi feita por um amiguinho, dando uma força para a coleguinha, tomando euforicamente como um fato o fim do governo. O texto é de Ricardo Noblat, na quarta capa do desafortunado livro da pouco sensata funcionaria da mesma empresa que ele.

Ao que se saiba, passados cinco anos, nenhum dos dois fez autocrítica, reconsiderou suas apreciações, considerou que tinham tido um acesso de onipotência e que tinham se equivocado redondamente. Nada disso. Seguem adiante com suas argutas “análises” cobrando seus salários da mesma empresa, como se não tivesse errado redondamente.

Ninguém acredita no que dizem eles e seus colegas na mídia direitista. Todos eles acreditavam que o governo Lula era um gigante de pés de barro, sem apoio popular, totalmente entregue às ameaças da oposição, inevitavelmente condenado ao impeachment ou a sangrar continuamente até eleições em que ou Lula sequer seria candidato ou seu candidato seria facilmente derrotado pela oposição – por Alckmin ou por Serra. Acreditavam que Lula seria um outro Jânio ou um outro Collor – heróis efêmeros dessa mesma mídia.

Não decifraram o enigma Lula e foram devorados por ele. Lula deu a volta por cima e ascendeu dos 28% de apoio a que chegou a estar reduzido no auge da crise de 2005 aos mais de 80% atuais. Quando a oposição mandou mensageiros com a proposta de capitulação ao Lula – retira-se a proposta do impeachment e Lula renunciaria a candidatar-se a um segundo mandato, proposta que não foi levada pela Dilma, que esteve sempre alinhada com Lula, ao contrário do que disse a venenosa reportagem do Valor -, ouviu um palavrão daqueles do Lula, que disse que viraria o país de cabeça para baixo.

E virou. Não apenas no apelo ao apoio popular, mas sobre tudo pelas políticas sociais, que haviam começado a deslanchar com as mudanças no governo, especialmente com o papel de coordenação que passou a ter a Dilma no governo.

Supostos analistas políticos que cometem erros desse calibre, não se emendam, não renunciaram a seus cargos, continuam na mesma toada, revelam como não conhecem o país e tampouco a política, o poder, o governo e o povo brasileiro.

Acreditavam, como Fukuyamas tucanos, que o governo Lula tinha acabado, que seus amigos tucanos voltariam ao poder e o país voltaria a ser deles. Seus patrões já preparavam os apressados cadernos com a necrologia do governo Lula. Como havia dito um ex-ministro da ditadura: “Uma hora o PT teria que ganhar, fracassaria e os deixaria governar o país sem oposição popular”.

Se equivocaram e, pelo que tudo indica, continuam a equivocar-se. Lula não manteria sua popularidade com a crise internacional. Manteve e consolidou o apoio ao governo. Lula não transferiria sua popularidade para a Dilma. Transfere. Dilma, como nunca se havia candidatado, não seria uma boa candidata. Ela se revela excelente candidata. Serra mostraria ser experiente, tranqüilo, seguro. Ele se revela destemperado, inseguro, intranqüilo.

A história não acabou, o governo Lula não “acabou antes da hora”, tem tudo para eleger sua sucessora. Os corvos ladram, a caravana passA.

Emir Sader

MANCHA

NEANDERTAL

ISRAEL INTERCEPTA

domingo, 30 de maio de 2010

Internet já ganha eleições?




Internet já ganha eleições?

Venício Lima




Apesar de ser inegável a importância cada vez maior que a internet vem adquirindo nos processos eleitorais, não existe ainda evidências de que ela possa decidir uma eleição sozinha. É bom, portanto, que os interessados se acautelem.


Não pode haver qualquer dúvida sobre a importância crescente da internet no processo político e, em particular, no processo eleitoral. Em dezembro de 2009 já éramos 66,3 milhões de usuários e a classe C é a que mais cresce entre eles (IBOPE Nielsen, 2/2010 e 9/2009). Como afirmava matéria sob o título “Internet entra de vez na disputa Eleitoral”, publicada no Valor Econômico em 3 de julho de 2009, “de ferramenta quase exclusiva da elite nos anos 1990, a internet encerra a primeira década do século tendo como usuário um indivíduo cada vez mais parecido com o brasileiro médio”.

Além disso, o DataSenado divulgou em outubro de 2009, resultados revelando que a internet já era o segundo meio de comunicação mais usado pelo eleitor brasileiro para informar-se sobre política (cf. www.senado.gov.br/sf/senado/centralderelacionamento/sepop/pdf/datasenado/RelatórioFINALdivulgação.pdf). Da mesma forma, o Vox Populi também divulgou, em outubro de 2009, resultado de pesquisa indicando que a proporção de eleitores que usavam a internet para se informar sobre política já chegava a 36% (cf. http://www2.correioweb.com.br/cbonline/politica/pri_pol_142.htm).

É apenas lógico concluir, portanto, que, como as proporções daqueles que se informam pela internet têm subido ano a ano, a cada eleição a internet aumente sua importância no processo eleitoral.

Apesar disso, neste ano eleitoral, parece estar havendo certo exagero em considerar as campanhas na internet como sendo determinantes para o resultado eleitoral. Somas consideráveis de recursos vêm sendo alocadas para as campanhas virtuais e pipocam por todos os cantos “experts”, consultores, professores de marketing político prontos a ensinar a políticos como ganhar uma eleição através do “uso estratégico da internet”.

Será que a internet sozinha ganha eleição?
Uma fonte de equívocos parece ser o processo eleitoral que culminou com a eleição do primeiro presidente negro da história dos nos Estados Unidos.
A campanha de Barack Obama passou a ser vista como uma espécie de turning point em relação à utilização da web na política, inclusive no Brasil, independente das peculiaridades do sistema eleitoral americano e, claro, das imensas diferenças entre as nossas sociedades.

De fato, Obama se utilizou largamente da internet, não só para arrecadação de fundos, mas também para a organização de voluntários e a mobilização de novos eleitores, sobretudo jovens. Todavia, poucos se lembram que, na fase final, sua campanha investiu somas historicamente inéditas em anúncios de TV. Na antevéspera das eleições, foram comprados 30 minutos, em seis redes de televisão, com custo total estimado, entre produção e veiculação, de 6 milhões de dólares (cf. http://200.226.127.23/artigos.asp?cod=506MON0180).

A lição que emerge dessas considerações é que, apesar de ser inegável a importância cada vez maior que a internet vem adquirindo nos processos eleitorais, não existe ainda evidências de que ela possa decidir uma eleição sozinha.

Certamente ela será em 2010, como já foi nas eleições presidenciais de 2006 e nas eleições municipais de 2008, um instrumento estratégico fundamental em qualquer campanha. Mas, certamente, não será o único e, dificilmente, se constituirá em instrumento determinante.

É bom, portanto, que os interessados se acautelem. Tem muito oportunista de plantão na praça vendendo peixe por lebre.

La política de Estados Unidos hacia América Latina, cada vez más militarizada


La política de Estados Unidos hacia América Latina, cada vez más militarizada


A partir del análisis de las relaciones hemisféricas, las tres organizaciones que suscribieron el informe concluyeron que el gobierno de Barack Obama sigue concediéndole una atención "insuficiente" a los derechos humanos en la región. Recomendaron "demostrar que Estados Unidos se preocupa por la protección de los derechos humanos" en los países latinoamericanos y "centrar los esfuerzos antinarcóticos" dentro del territorio estadouniden


En su informe "Esperando el cambio: tendencias de la asistencia en seguridad de Estados Unidos para América Latina y el Caribe", la Oficina en Washington para América Latina (WOLA), el Centro para Política Internacional (CIP) y el Latin America Working Group Education Fund coincidieron en que las "poco realistas" expectativas latinoamericanas de "reiniciar" las relaciones con Obama "se han atenuado bastante", en buena parte por este proceso de militarización.

En el documento, señalaron estar "decepcionados de que el gobierno de Obama no ha tomado acciones fuertes e identificables para mejorar las relaciones con América Latina".

Entre varios acontecimientos que marcaron la historia reciente de los países latinoamericanos y Estados Unidos, el golpe de Estado en Honduras ganó un espacio privilegiado en el informe, sobre el que sus autores precisaron que la "respuesta contradictoria" de Washington al acontecimiento fue un elemento que ha contribuido a "atenuar" el entusiasmo latinoamericano con el nuevo gobierno estadounidense, ya que "envió al resto del hemisferio la señal de que la nueva administración de Estados Unidos es ambivalente respecto a las violaciones al orden democrático y a los derechos humanos".

En tanto, para las tres organizaciones despertaron especial "preocupación" los acuerdos que Obama firmó con Colombia para el uso de hasta siete bases militares. "Colombia es el caso perfecto para evaluar si la administración de Obama, a diferencia de sus predecesores, defenderá los derechos humanos cuando sus aliados más cercanos cometen serios abusos", precisaron en el informe.

Otro punto de tensión es la "confusión y preocupación en la región sobre por qué era necesario volver a establecer la IV Flota", en activo de nuevo desde 2008, así como con la Iniciativa Mérida con México, en la que, subrayaron los elaboradores del documento, "el Departamento de Estado no mostró mucho interés en la elaboración de un informe mínimamente objetivo sobre el cumplimiento por parte de México de los requisitos de derechos humanos aplicables al paquete de asistencia militar" del plan.

"La principal cara que la mayor parte de la región está viendo de la administración Obama es una militar", alertó Adam Isacson, miembro de WOLA y uno de los autores del informe, dichos con los que coincidió la directora ejecutiva del Latin America Working Group Education Fund, Lisa Haugaard, que apuntó que "la política de derechos humanos de la administración Obama está desaparecida en acción. El gobierno de Obama debe mostrarse fuerte en materia de derechos humanos, especialmente con gobiernos aliados que están recibiendo grandes cantidades de ayuda en seguridad", reclamó.

Con todo, las organizaciones sostienen que "todavía no es demasiado tarde" para que Estados Unidos "impulse un nuevo rumbo" en las relaciones con América Latina, tarea para la que, al final del informe, efectúan una serie de consejos. Por un lado, debería "demostrar que Estados Unidos se preocupa por la protección de los derechos humanos en los países percibidos como socios cercanos, como Colombia y México", además de "asegurar" que "el principal actor y la principal voz en la política de Estados Unidos hacia la región es el Departamento de Estado y las embajadas y no el Comando Sur".

Las organizaciones reclaman además un mayor apoyo a los esfuerzos de América Latina para "adoptar un enfoque más amplio sobre seguridad ciudadana" y "centrar los esfuerzos antinarcóticos" dentro del propio Estados Unidos, además de "balancear" la ayuda "disminuyendo los gastos militares a favor de mayor asistencia a la salud, educación o ayuda en desastres naturales", entre otros.

En este sentido, reclaman también que Washington asigne un "generoso paquete asistencial de largo plazo" para la reconstrucción de Haití y que, en materia doméstica, "ponga la reforma migratoria de nuevo en la agenda".

Los especialistas piden asimsimo que Estados Unidos "mantenga suspendida la asistencia militar y condicione toda otra asistencia a Honduras hasta que verdaderos pasos sean tomados para lograr justicia por los abusos en derechos humanos" y, finalmente, que permita el "libre intercambio de personas e ideas con Cuba", considerando que "nada podría restablecer mejor las relaciones con toda la región como el fin total a las arcaicas restricciones sobre los viajes" a la isla.


http://www.pagina12.com.ar/diario/ultimas/20-146276-2010-05-24.html



O PESO DO BRASIL

A Nova Estratégia de Segurança dos Estados Unidos, anunciada nesta quinta-feira (27) pela Casa Branca, elogia as políticas econômicas e sociais do Brasil, reconhece o país como guardião de “patrimônio ambiental único” e dá as “boas-vindas” à influência de Brasília no mundo.


O documento de 60 páginas é a primeira atualização do governo de Barack Obama sobre as linhas gerais da estratégia internacional dos EUA, sucedendo os relatórios de 2002 e 2006, assinados por George W. Bush, que consagraram a expressão “guerra ao terror”.


Em contraste com os anteriores, que citavam o Brasil de modo direto apenas uma vez cada um, o relatório de Obama dedica mais atenção ao país, que aparece dentro do tópico “Ordem internacional”.


“Nós estamos trabalhando para construir parcerias mais profundas e mais efetivas com outros centros de influência fundamentais – incluindo China, Índia e Rússia, assim como nações de crescente influência como Brasil, África do Sul e Indonésia – de modo que possamos cooperar em questões de preocupação bilateral e global, com o reconhecimento de que poder, em um mundo interconectado, não é mais um jogo de soma zero”, afirma o documento.


Na sequência, o relatório trata da Ásia e da Rússia, e depois se detém nos “centros de influência emergentes”, momento em que o Brasil aparece com detalhamento.


"Nas Américas, estamos unidos por proximidade, mercados integrados, interdependência energética, um amplamente compartilhado compromisso com a democracia, e a autoridade da lei", anuncia. "Trabalharemos em parceira de igualdade para avançar na inclusão econômica e social, proteger a segurança do cidadão, promover energia limpa e defender os valores universais dos povos do hemisfério".


“Nós damos as boas-vindas à liderança do Brasil e procuramos ultrapassar as datadas divisões Norte-Sul para perseguir um progresso em questões bilaterais, hemisféricas e globais”, declara.


“O sucesso macroeconômico do Brasil, aliado com seus passos para diminuir as desigualdades socioeconômicas, fornece importantes lições para os países em toda América e África”, prossegue o texto. “Incentivamos os esforços do Brasil contra redes transnacionais ilegais”.


“Enquanto guardião de um patrimônio ambiental nacional único e líder em combustíveis renováveis, o Brasil é um parceiro importante para enfrentar a mudança climática global e para promover a segurança energética”, afirma.


“E no contexto do G-20 e da rodada de Doha, trabalharemos junto com o Brasil para garantir que o desenvolvimento econômico e a prosperidade sejam amplamente compartilhados”, conclui.


Além do Brasil, outro país sul-americano que aparece na estratégia é a Argentina, mencionada uma vez, no contexto do crescimento do G-20: “As nações que compõem o G-20 – da Coreia do Sul à África do Sul, da Arábia Saudita à Argentina – representam pelo menos 80% do PIB mundial, fazendo com que esse grupo seja um elemento influente no cenário mundial”.


A Venezuela de Hugo Chávez, adversário declarado da Casa Branca, assim como Colômbia e Chile, aliados tradicionais da política norte-americana, não são explicitamente mencionados em nenhuma parte.

sábado, 29 de maio de 2010

NA BOLA


http://www.islandpacket.com/localphotos/

NO DENTISTA


http://www.islandpacket.com/localphotos/

BOLA


http://www.islandpacket.com/localphotos/

JACARÉ


http://www.islandpacket.com/localphotos/

EM SOFIA, BULGARIA


TOURO DE CABEÇA PARA BAIXO

LULA NO IRÃ

Duas cosmologias em conflito


Duas cosmologias em conflito


Leonardo Boff




O prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, disse recentemente: “O legado da crise econômico-financeira será um grande debate de idéias sobre o futuro da Terra”. Concordo plenamente com ele. Vejo que o grande debate se dará em torno das duas cosmologias em conflito no cenário da história. Por cosmologia entendemos a visão do mundo – cosmovisão – que subjaz às idéias, às práticas, aos hábitos e aos sonhos de uma sociedade. Cada cultura possui sua respectiva cosmologia. Mediante ela, se procura explicar a origem, a evolução e o propósito do universo, a definição do lugar do ser humano dentro dele.

A nossa cosmologia atual é a da conquista, da dominação, da exploração do mundo, com vistas ao progresso e ao crescimento ilimitado.

Caracteriza-se por ser mecanicista, determinista, atomística e reducionista. Por causa desta cosmovisão, criaram-se inegáveis benefícios para a vida humana, mas também contradições perversas como o fato de 20% da população mundial controlar e consumir 80% de todos os recursos naturais, gerando um fosso entre ricos e pobres como nunca antes houve na história. A metade das grandes florestas já foi destruída, 65% das terras cultiváveis foram perdidas, cerca de 5 mil espécies de seres vivos desaparecem anualmente e mais de mil agentes químicos sintéticos, a maioria deles tóxicos, são espalhados pelo solo, ar e águas.

Construíram-se armas de destruição em massa, capazes de eliminar toda vida humana. O efeito final é o desequilíbrio do sistema-Terra que se expressa pelo aquecimento global. Com os gases já acumulados, em 2035, chegaremos fatalmente a um aumento de 2 graus centígrados, e, se nada for feito, segundo algumas previsões, no final do século serão 4 ou 5 graus, o que tornará a vida, tal como a conhecemos hoje, praticamente impossível.

O predomínio dos interesses econômicos, especialmente os especulativos, capazes de reduzir países inteiros à mais brutal miséria, e o consumismo trivializaram nossa percepção do perigo que vivemos e conspiram contra qualquer mudança de rumo.

Em contraposição, está aparecendo com força cada vez maior uma cosmologia alternativa e potencialmente salvadora. Ela já tem mais de um século de elaboração e alcançou sua melhor expressão na Carta da Terra.

Ela deriva das ciências do universo, da Terra e da vida e situa nossa realidade dentro da cosmogênese, aquele imenso processo evolutivo que iniciou no big bang, há cerca de 13,7 bilhões de anos. O universo está continuamente expandindo-se, organizando-se e auto-criando-se. Seu estado natural é a evolução e não a estabilidade, a transformação e a adaptabilidade e não a imutabilidade e a permanência. Ele relaciona-se em redes e não existe nada fora desta relação. Por isso todos os seres são interdependentes e colaboram entre si para evoluir juntos e garantir o equilíbrio de todos os fatores. Por trás de todos os seres atua a Energia de fundo que deu origem e anima o universo e faz surgir novas criações. A mais espetacular delas é a Terra viva e nós, os seres humanos, como a porção consciente e inteligente dela, com a missão de cuidá-la.

Vivemos tempos de urgência. O conjunto das crises atuais está criando uma espiral de necessidades de mudança que, se não forem implementadas, nos conduzirão fatalmente ao caos coletivo, mas que se forem assumidas, poderão nos elevar a um estágio mais alto de civilização.

E é neste momento que a nova cosmologia se revela inspiradora. Ao invés de dominar a natureza, nos situa no seio dela em profunda sintonia e sinergia. Ao invés de uma globalização niveladora das diferenças, nos sugere o biorregionalismo que valoriza as diferenças. Este modelo procura construir sociedades autosustentáveis dentro das potencialidades e dos limites das biorregiões, baseadas na ecologia, na cultura local e na participação das populações, respeitando a natureza e buscando o “bem viver” que é a harmonia entre todos e com a mãe Terra.

O que caracteriza esta nova cosmologia é o cuidado em lugar da dominação, o reconhecimento do valor intrínseco de cada ser e não sua mera utilização humana, o respeito por toda a vida e os direitos e a dignidade da natureza e não sua exploração.

A força desta cosmologia reside no fato de estar mais de acordo com as reais necessidades humanas e com a lógica do próprio universo. Se optamos por ela, se criará a oportunidade de uma civilização planetária na qual o cuidado, a cooperação, o amor, o respeito, a alegria e a espiritualidade terão centralidade. Será o grande giro salvador de que necessitamos urgentemente.

Tradução (do espanhol): Marco Aurélio Weissheimer

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Lula abraça Evo Morales e faz piada: "Vamos fazer inveja no Serra"






Lula abraça Evo Morales e faz piada: "Vamos fazer inveja no Serra"


No III Fórum Mundial da Aliança de Civilizações, Rio de Janeiro, o presidente Lula abraçou o boliviano Evo Morales e fez piada, para os fotógrafos, com o pré-candidato demo-tucano:

—Vamos posar aqui; vamos fazer inveja no Serra — disse Lula, rindo bastante.

Evo atendeu ao presidente Lula, também rindo, mas evitou fazer declarações políticas, se limitando a dar palpite sobre a Copa do Mundo:

— O Brasil será campeão.

Serra assume extremismo de direita anti-Lula

José Serra (PSDB/SP), em entrevista, acusou o governo boliviano de ser cúmplice do tráfico de drogas.O Ministério das Relações Exteriores da Bolívia emitiu nota considerando "inescrupulosas" e provavelmente "político-eleitorais" as declarações de Serra. O demo-tucano em sua escalada fascista rumo ao alinhamento com posições da extrema-direita estadunidense - que deseja implantar em toda a América do Sul um "plano Colômbia", de instalação de bases militares estadunidenses - disse que a declaração da chancelaria boliviana "não vale uma nota de três reais".

E o FHC, também é cúmplice?

José Serra deveria explicar se considera seu amigo e mestre, FHC, cúmplice do tráfico, quando faz uma cruzada em prol das drogas.

Eles estão nervosos



"Eles estão nervosos, nós estamos calmos", diz Amorim após declarações de Hillary

Daniel Milazzo


O ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, comentou na tarde desta sexta-feira (28) a declaração da secretária de Estado americana, Hillary Clinton, de que Brasil e Estados Unidos possuem “sérias divergências” em relação ao Irã.

“Cada um é livre para ter sua opinião. Se ela define isso como sérias divergências, tudo bem, é a opinião dela. Para mim, o importante é o seguinte, foi sério o nosso esforço em encontrar uma solução pacífica, e isso é o compromisso de Brasil e Turquia”, afirmou Amorim em entrevista coletiva durante o 3º Fórum da Aliança de Civilizações das Nações Unidas, realizado no Rio de Janeiro.

“Acho que tem muita gente decepcionada porque [o acordo com o Irã] produziu resultados. Porque a expectativa deles era de que não produzisse. Como eles estão insistindo em continuar na mesma linha, eles estão nervosos, nós estamos calmos”, acrescentou o chanceler brasileiro. Amorim frisou que ainda não conversou pessoalmente com Hillary após a declaração.

Ponderando que as relações diplomáticas entre Brasil e Estados Unidos continuam "excelentes", o chanceler brasileiro criticou a postura norte-americana e defendeu a autonomia da diplomacia nacional. “Mas você não pode adotar uma política de que quem não está comigo é contra mim. Isso não existe. Nós temos que agir segundo a nossa consciência e segundo as nossas convicções.”

Indagado se a divergência entre os dois governos acerca do Irã prejudicaria a ambição brasileira em tornar-se membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, Amorim foi taxativo: “Se for para ser membro permanente do Conselho de Segurança e ter postura subserviente, é melhor deixar pra lá.”

Mais cedo, ao também comentar a declaração da secretaria dos EUA, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que são as armas nucleares e não os acordos com o Irã que tornam o mundo "mais perigoso".

O presidente brasileiro enfatizou que o Brasil foi "ao Irã buscar uma solução negociada para a crise", um dia depois que a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, indicar que existem "sérios desacordos" entre Washington e Brasília sobre este tema.

“O Brasil aposta no entendimento que faz calar as armas. Investe na esperança, que supera o medo. Posições inflexíveis só ajudam a confrontação e afastam a possibilidade de soluções de paz”, disse Lula.

Brasil e Turquia negociaram um acordo tripartite de enriquecimento de urânio com o Irã, que foi recebido com receio por parte das grandes potências ocidentais, já que os iranianos indicaram que continuarão enriquecendo urânio em seu território.

Augusto dos Anjos


Augusto dos Anjos


DEBAIXO DO TAMARINDO

No tempo de meu Pai, sob estes galhos,
Como uma vela fúnebre de cera,
Chorei bilhões de vezes com a canseira
De inexorabilíssimos trabalhos!

Hoje, esta árvore, de amplos agasalhos,
Guarda, como uma caixa derradeira,
O passado da Flora Brasileira
E a paleontologia dos Carvalhos!

Quando pararem todos os relógios
De minha vida e a voz dos necrológios
Gritar nos noticiários que eu morri,

Voltando à pátria da homogeneidade,
Abraçada com a própria Eternidade
A minha sombra há de ficar aqui!



LEIA MAIS

DESFILE

NAVIOS SUL COREANOS

DIVERSAS FE, UNA VERDAD


DIVERSAS FE, UNA VERDAD



Por Tenzin Gyatso

The New York Times / Art. de Opinión

24 de mayo de 2010



CUANDO yo era un niño en Tíbet sentía que mi propia religión budista tenía que ser la mejor – y que otras creencias religiosas eran de alguna manera inferiores. Ahora veo cuán ingenuo yo era, y cuán riesgosos pueden ser hoy los extremos de la intolerancia religiosa.



Aunque la intolerancia puede ser tan antigua como la religión misma, todavía vemos señales vigorosas de su virulencia. En Europa, existen debates intensos sobre recién llegados usando velos o queriendo levantar alminares, y episodios de violencia en contra de los inmigrantes musulmanes. El tema de los ateos radicales cubre las condenas de aquellos que sostienen creencias religiosas. En el Medio Oriente, las llamas de la guerra se intensifican por el odio de adherentes a otra fe.



Es probable que dichas tensiones aumenten en la medida que el mundo se vuelve más interconectado, y las culturas, pueblos y religiones se entrelazan. La presión que esto crea, pone a prueba más que nuestra tolerancia – exige que promovamos una coexistencia pacífica y un entendimiento a través de las fronteras.



Es un hecho, cada religión tiene un sentido de exclusividad como parte de su identidad esencial. Incluso así, creo que existe un potencial genuino para un entendimiento mutuo. Preservando la fe hacia nuestra propia tradición, uno puede respetar, admirar y apreciar otras tradiciones.



Algo que me abrió los ojos inicialmente fue mi encuentro con el monje trapense Thomas Merton en India, poco antes de su inoportuna muerte en 1968. Merton me dijo que él perfectamente podía mantenerse creyente del Cristianismo, pero aprender en profundidad de algunas otras religiones como el Budismo. Lo mismo es cierto para mí como un budista ardiente que aprende de las otras grandes religiones del mundo.



Un punto importante en mi conversación con Merton fue cuán central era la compasión en el mensaje del Cristianismo y el Budismo. En mi lectura del Nuevo Testamento, me veo inspirado por los actos de compasión de Jesús. Su milagro de los panes y peces, todo en él, su sanación y su enseñanza encuentran motivación en el deseo de aliviar el sufrimiento.



Soy un firme creyente del poder del contacto personal para hacer de puente entre las diferencias, entonces hace mucho que me he inclinado hacia el diálogo con las personas de otras perspectivas religiosas. El enfoque en la compasión que Merton y yo observamos en nuestras dos religiones me impacta como un fuerte cordón unificador entre todas las principales creencias. Y en estos días, nosotros necesitamos destacar lo que nos une.



Veamos, por el ejemplo, el Judaísmo. La primera vez que visité una sinagoga fue en Cochin, India, en 1965 y me he reunido con muchos rabinos con el paso de los años. Recuerdo vívidamente al rabino en Holanda que me habló sobre el holocausto con tal intensidad que ambos nos emocionamos hasta las lágrimas. Y he aprendido cómo el Talmud y la Biblia repiten el tema de la compasión, como en el pasaje en Levíticos indica, “Ama a tu vecino como a tu prójimo”.



En muchos encuentros con eruditos hindúes en India he llegado a ver el aspecto central de la compasión desinteresada en el Hinduismo también – como expresado, por ejemplo, en el Bhagavad Gita, el que alaba a quienes “se deleitan en el bienestar de todos los seres”. Me conmueven las formas en que este valor se ha expresado en la vida de grandes seres como Mahatma Gandhi, o el no tan conocido Baba Amte, quien fundó una colonia de leprosos no lejos de un asentamiento tibetano en el estado de Maharashtra en India. Allí él alimentaba y daba techo a leprosos quienes de lo contrario eran abandonados. Cuando recibí mi Premio Nóbel de la Paz, hice una donación a esta colonia.



La compasión es igualmente importante en el Islam – reconociendo que se ha vuelto crucial en los años después del 11 de septiembre, en especial al responder a aquellos que pintan al Islam como una fe militante. En el primer aniversario del 11 de septiembre, hablé en la Catedral Nacional de Washington, abogando por que no sigamos la pauta de algunos medios informativos y dejemos que los actos de algunos individuos definan toda una religión.



Déjenme decirles sobre el Islam que yo conozco. Tíbet ha tenido una comunidad islámica por unos 400 años, aunque mis contactos más ricos con el Islam han sido en India que tiene la segunda población musulmana más grande del mundo. Un imán en Ladakh me dijo una vez que un verdadero musulmán debía amar y respetar a todas las criaturas de Alá. Y en mi entendimiento, el Islam considera la compasión como un principio espiritual central, reflejado en el nombre mismo de Dios, el “Compasivo y Piadoso”, que aparece virtualmente en el comienzo de cada capítulo del Corán.



El hallar un terreno común entre las fe nos puede ayudar a mediar entre las divisiones innecesarias en un momento cuando la acción unificada es más crucial que nunca. Como especies, nosotros debemos acoger la unidad de la humanidad cuando enfrentamos temas como las pandemias, crisis económica y desastre ecológico. A esa escala, nuestra respuesta ha de ser una.



La armonía entre las principales fe se ha vuelto un ingrediente esencial de la coexistencia pacífica en nuestro mundo. Desde esta perspectiva, el mutuo entendimiento entre estas tradiciones no es meramente el asunto de los creyentes religiosos – importa por el bienestar de la humanidad como un todo.





Tenzin Gyatso, el 14º Dalai Lama, es autor de la reciente producción “Hacia una verdadera correspondencia de las Fe: Cómo las religiones del mundo pueden unirse”





ELIS


Depois de ouvir Elis, saio com a sensação de que ela foi a maior cantora do Brasil e uma das maiores do mundo.
Ouvia "como nossos pais", do misterioso Belchior; ouvi "Nada será como antes" de Milton etc e volto a dizer:
"não há como ela para atingir aquele clímax". (Rogel Samuel)

"mudança de estação"


para te sentires vivo – todas as manhãs

arrumas a casa sacodes tapetes limpas o pó e

o mesmo fazes com a alma – puxas-lhe brilho

regas o coração e o grande feto verde-granulado





deixas o verão deslizar de mansinho

para o cobre luminoso do Outono e

às primeiras chuvadas recomeças a escrever

como se em ti fertilizasses uma terra generosa

cansada de pousio – uma terra

necessitada de águas de sons de afectos para

intensificar o esplendor do teu firmamento





passa um bando de andarinhões rente à janela

sobrevoam o rosto que surge do mar – crepúsculo

donde se soltaram as abelhas incompreensíveis

da memória





luzeiros marinhos sobre a pele – peixes

que se enforcam com a corda de noctilucos

estendida nesta mudança de estação





Al Berto, "mudança de estação"

DILMA VENCE COM FOLGA NO PIAUÍ

Pesquisa do instituto CAPTAVOX, divulgada no Jornal do Piauí/TV Cidade Verde, mostra crescimento de Dilma Rousseff no estado, com um índice impressionante na pesquisa espontânea:

Presidente – Estimulada
Dilma Roussef (PT) 47,0%
José Serra (PSDB) 32,8%
Marina Silva (PV) 4,3%
Plínio Arruda (PSOL) 0,3%
Nenhum/ Branco/Nulo 4,4%
Indecisos 11,1%

Presidente – Espontânea
Dilma Roussef (PT) 33,6%
José Serra (PSDB) 19,4%
Marina Silva (PV) 2,0%
Lula (PT) 5,2%
Plínio Arruda (PSOL) 0,1%
Fernando Henhirque (PSDB) 0,1%
Ciro Gomes (PSB) 0,1%
Geraldo Alckmim (PSDB) 0,1%
Nenhum/ Branco/Nulo 3,0%
Indecisos 36,5%

Presidente- Rejeição
José Serra (PSDB) 24,6%
Plínio Arruda (PSOL) 18,6%
Dilma Roussef (PT) 15,8%
Marina Silva (PV) 13,7%
Não Rejeita Ninguém 7,8%
Indecisos 19,5%

A MORTE


A morte é a curva da estrada,

Morrer é só não ser visto.

Se escuto, eu te ouço a passada

Existir como eu existo.



A terra é feita de céu.

A mentira não tem ninho.

Nunca ninguém se perdeu.

Tudo é verdade e caminho.




Fernando Pessoa, Cancioneiro

BOB HOPE NA CORÉIA, 1968

ANN MARGRET, 1964


ANN MARGRET, 1964

O DESEMPREGO CAI NO BRASIL



O desempenho do mercado de trabalho seguiu muito favorável em abril, com alta forte do emprego - especialmente com carteira assinada - e da renda. A taxa de desemprego nas seis principais regiões metropolitanas caiu de 7,6% em março para 7,3% em abril, a mais baixa para esse mês desde 2002, quando se iniciou a nova Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE. Feito o ajuste sazonal, a taxa recuou de 7% para 6,7%, a menor da série iniciada em 2002.


O aquecimento é mais intenso na construção civil, mas também se dá na indústria e nos serviços. Segundo alguns analistas, a força no mercado de trabalho pode levar o Comitê de Política Monetária (Copom) a aumentar a taxa Selic em 1 ponto percentual na reunião do mês que vem, para combater pressões inflacionárias. No encontro de abril, a alta foi de 0,75 ponto, para 9,5% ao ano.


O crescimento da ocupação se intensifica a cada mês. Em abril, aumentou 4,3% em relação ao mesmo período de 2009. "Foi uma alta significativa, superior à observada nessa mesma base de comparação em março, de 3,8%", diz o economista Fábio Romão, da LCA Consultores. Ele ressalta o aumento do emprego com carteira assinada. A ocupação formal subiu 7,2% sobre abril de 2009, enquanto a informal teve alta de 0,4%.


O número de trabalhadores com carteira assinada, que chegou a 21,821 milhões, bateu o recorde na série iniciada em 2002. Isso equivale a 51,1% do total de trabalhadores empregados. "Esse fenômeno deixa claro o aumento da confiança na economia", diz Romão. Com boas perspectivas para o crescimento, os empresários se sentem confortáveis para contratar trabalhadores com carteira.


Na construção civil, a ocupação cresceu 10,5% sobre abril de 2009. Setor em que sobram relatos de falta de mão de obra qualificada, os salários tiveram crescimento médio de 10% acima da inflação nos 12 meses até abril, como aponta relatório do Bradesco.


A alta também é muito forte no segmento de serviços. Romão consolidou os números de cinco setores em que preponderam os serviços e representam, juntos, 57,1% do estoque total de trabalhadores. "A ocupação desse conjunto teve alta de 4,7% em abril", diz ele, observando que também houve crescimento expressivo na indústria.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

GLAUBER É ANISTIADO


Estado brasileiro anistia o cineasta baiano Glauber Rocha
Perseguido e censurado nos anos da Ditadura Militar (1964-1985), o cineasta baiano Glauber Rocha, pai do Cinema Novo, autor de clássicos da Sétima Arte nacional, a exemplo de Deus e o Diabo na Terra do Sol, Terra em Transe, Barravento e O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro – este último, uma das suas nove obras censuradas -, foi oficialmente anistiado em cerimônia realizada nesta quarta-feira (26/5), no Teatro Vila Velha, em Salvador.

A Sagração da Primavera


A Sagração da Primavera
É em fase de plena maturidade artística que o compositor Luís Tinoco e a coreógrafa Olga Roriz aceitam esta encomenda do Centro Cultural de Belém. Luís Tinoco propõe-se lançar uma ponte para a música de Stravinski, e Olga Roriz criará a sua própria Sagração da Primavera, "ritual" quase obrigatório no percurso de um coreógrafo. De 29 Maio, a 3 de Junho.
A Sagração da Primavera é uma das mais importantes obras sinfónicas do século XX. Encerra uma trilogia de bailados (depois de Pássaro de Fogo, em 1910, e Petrushka, em 1911) que Igor Stravinsky compôs para a companhia dos Ballets Russes, de Sergei Diaghilev.
No dia em que se celebra o 97º aniversário da estreia de "Le Sacre du Printemps" no Théatre des Champs-Élysées em Paris, a coreografia Olga Roriz estreia esta peça, para 22 bailarinos, acompanhada ao vivo pela Orquestra Metropolitana de Lisboa (dirigida pelo Maestro Cesário Costa). "Sinto que andei sempre a ouvi-la, que esteve sempre comigo, e mantenho um enorme apreço por ela desde a primeira vez que a ouvi" - o interesse de Luís Tinoco pela partitura de Stravinsky vem do tempo de estudante de Composição. Para Olga Roriz, o contacto decisivo com a Sagração da Primavera foi já enquanto coreógrafa, ao assistir à criação de Pina Bausch. A memória histórica e cultural à volta da composição de Stravinsky é a base de inspiração deste programa. Mas as obras a apresentar nascem de um universo muito pessoal, como Olga Roriz afirma: "A Sagração há-de estar dentro de mim."

PÚBLICO

'The Seventh Seal,' 1957


'The Seventh Seal,' 1957
(Handout)
Ingmar Bergman, the writer-director, brings his hero, a knight returning home from the Crusades, face to face with mortality -- not just his own, but everyone's. Max von Sydow, as the knight, plays chess with Death as he struggles to find meaning in a countryside ravaged by the plague and superstition. He cries out to a god "who must be somewhere." Does he receive a response? In the climactic image a string of travelers dance with the Grim Reaper "away from the dawn" (as Bergman put it in the screenplay), "while the rain washes their faces and clears the salt of the tears from their cheeks." Will the knight be among them? And what does it mean that the rain clears the salt of the tears from their cheeks? These questions are the source of the movie's tension but not of its magic. Bergman delivers supernatural adventure with the detail and nuance of experience and the white heat of revelation.