domingo, 14 de agosto de 2016

MEU PAI

MEU PAI

Rogel Samuel

Um homem corta a grama
Do outro lado da rua.
Meu pai se foi há muitos anos,
Mas a lembrança dele me desperta.
Vem de certa cena antiga
Onde aparece com seu sorrir
E o mesmo jogo de andar
Lançando os braços para trás.
Um homem corta a grama no seu quintal.
E muito tempo se passou
E não sei por que subitamente
Choro sua morte.
Tudo está em seu lugar
E por que me vejo triste?
Meu pai já não existe
Ele se decompôs no ar.
Um velho corta a grande grama
Da outra margem desta rua.

(Walden, New York, julho 2003)

FOTO DE "ANANDA"
ÚLTIMA BARCA DE MEU PAI





2 comentários:

maria azenha disse...

belíssimo poema,de uma sensibilidade extrema.

ROGEL SAMUEL disse...

OBRIGADO, AMIGA